ConexãoIn

Protestos contra a Reforma da Previdência acontecem em várias capitais do país

Algumas cidades brasileiras amanheceram sem ônibus e com algumas agências bancárias fechadas na manhã, desta segunda-feira, 19, por conta do Dia Nacional de Paralisação contra a Reforma da Previdência. Uma greve geral foi convocada por centrais e movimentos sindicais. Em São Paulo e no Rio de Janeiro ato acabou em repressão e quebra-quebra. Em Salvador, Recife,

Manifestantes protestaram no Aeroporto de Congonhas em São Paulo, com batucadas, faixas e instrumentos contra a Reforma da Previdência manifestantes  Em Guarulhos,  houve protesto em frente da garagem de sete empresas de ônibus. A paralisação parcial de metrô e ônibus em São Paulo, aliado à suspensão do rodízio de veículos particulares, imprimiu em algumas zonas da cidade um clima de feriado caótico, contribuindo para a percepção na maior cidade do país de que o chamado à “greve geral” havia pegado. Na Paulista, sindicalistas, movimentos sociais, servidores, estudantes e um grande número de professores tomaram a avenida no fim da tarde para protestar contra a reforma da Previdência. A maioria também pedia a saída de Temer do poder.

Em Salvador, BA, o trânsito foi liberado, por volta das 9h10, na região do Iguatemi, duas horas após início da manifestação, que fechou as pistas nos dois sentidos no local. Por conta do protesto, as avenidas ACM e Paralela ficaram congestionadas provocando engarrafamentos.

No Recife, PE, o protesto se iniciou na BR-101, no Barro, Zona Oeste do Recif Rodoviária Federal (PRF), a manifestação foi realizada na altura do quilômetro 72, por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST). Com a proximidade da entrada do terminal de integração do Barro, os ônibus pararam de circular, causando transtornos aos usuários. Segundo a PRF, o Corpo de Bombeiros chegou ao local e a pista no sentido Jaboatão foi liberada. O protesto foi totalmente encerrado por volta das 10h. A Central Única dos Trabalhadores de Pernambuco (CUT-PE) , os sindicatos filiados e os movimentos sociais convocaram a classe trabalhadora para a mobilização, que contará com um ato político marcado às 15h, no Parque 13 de Maio, bairro de Santo Amaro, no Recife.

Em Fortaleza, CE, sindicalistas começaram o dia as 6 horas com manifestação no Aeroporto Internacional Pinto Martins, no Bairro Serrinha, na capital, durante embarque dos deputados para Brasília para pressioná-los a votar contra a reforma.

Por volta das 8 horas integrantes do Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort) e da Intersindical se juntaram ao ato que aconteceu no Centro de Fortaleza.

Manifestação teve como concentração a Praça Clóvis Beviláqua, ao lado da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC), de onde os manifestantes saíram em caminhada pelas ruas da cidade. O protesto terminou as 11h20 na Praça do Ferreira, no Centro.

POR: Rita Moraes
Publicado em 19/02/2018