ConexãoIn

O mundo perde Stephen Hawking. Cientista faleceu aos 76 anos

Morreu nesta quarta-feira, 14, em sua casa, o físico e pesquisador britânico Stephen William Hawking. Ele tinha 76 anos e sua morte foi comunicada por sua família à imprensa inglesa. “Estamos profundamente tristes pela morte do nosso pai hoje”, disseram seus filhos Lucy, Robert e Tim. “Era um grande cientista e um homem extraordinário, cujo trabalho e legado viverão por muitos anos”, afirmaram.

Stephen Hawing era um dos mais conhecidos cientistas do mundo por sua teoria da singularidade do espaço-tempo, aplicando a lógica dos buracos negros a todo o universo. Seu foco de estudo e pesquisa era a natureza da gravidade e a origem do universo. Ele detalharia o tema ao público em geral no livro “Um breve história do tempo”, best-seller lançado em 1988. Sua história de vida foi contada no filme “A teoria de tudo”, vencedor de um Oscar em 2014.

Hawking também era um símbolo de determinação por ser portador da Esclerose Lateral Amiotrófica-ELA e ter sobrevivido a ela por décadas. A doença degenerativa fez com que conseguisse, em certo ponto, mover apenas um dedo e os olhos voluntariamente. A cadeira de rodas e a crescente dificuldade para se comunicar nunca o impediram, de seguir sua carreira, pois sua capacidade intelectual permaneceu intacta.

Importante divulgador científico, Stephen Hawking  será lembrado por sua descoberta de que os buracos negros, aqueles pontos do cosmo tão densos que nem a luz lhes escapa, não são realmente negros quando explodem, falando simplificadamente. Eles podem soltar partículas e radiação antes de desaparecerem. Ninguém acreditava inicialmente que partículas pudessem sair do buracos negros. “Não estava procurando por elas, as partículas. Apenas tropecei sobre elas”, contou numa entrevista de 1978 ao “New York Times”.

Sobre Stephen William Hawking

Stephen nasceu em 8 de janeiro de 19342, exatamente depois de 300 anos da morte de Galileu.  Filho de Frank Hawking, biólogo pesquisador que trabalhava como parasitólogo no Instituto Nacional de Pesquisa Médica de Londres e de Isabel Hawking. Teve duas irmãs mais novas, Philippa e Mary, e um irmão adotivo, Edward. Desde pequeno mostrou  foi interessado por ciência. Em 1959, entra na University College, Oxford, para estudar matemática, mas optou por física, formando-se em três anos, 1962. Se interessava já por Termodinânima, Relatividade e Mecânica Quantica. Fez Doutorado na Trinitt Hall, em Cambrigde, em 1966, como membro honorário. Pesquisador e professor no Gonville and College.  Entrou para o Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica tendo, entre 1979 e 2009, ocupou o posto de professor lucasiano de Matemática, cátedra que fora de Issac Newton, foi professor lucasiano emérito da Universidade de Cambrigde. Casou com Jane Hawking, em 1965, depois com Elaine Mason, enfermeira, divorciando-se em 2006. Teve três filhos e três netos. 

Doença degenerativa

Hawking era portador de ELA – Esclerose Lateral Amiotrófica, rara doença degenerativa que paralisa os músculos do corpo sem, no entanto, atingir as funções cerebrais, sendo uma doença que ainda não possui cura. A doença foi detectada quando tinha 21 anos. Em 1985 se submeteu a uma traqueostemia, após ter contraído pneumonia visitando o CERN na Suíça e, desde então, utilizava um sintetizador de voz para se comunicar. Gradualmente, foi perdendo o movimento dos braços e pernas, assim como do resto da musculatura voluntária, incluindo a força para manter a cabeça erguida, de modo que sua mobilidade era praticamente nula. Em 2005 usava os músculos da bochecha para controlar o sintetizador, e em 2009 já não podia mais controlar a cadeira de rodas elétrica. Cientistas estudaram formas de evitar que sofresse da Sindrome do Encarceramento,  traduzindo os pensamentos ou expressões de Hawking em fala. A empresa Intel cedeu a um aparelho, querastreava o movimento dos olhos do cientista para gerar palavras, embora o cientista tenha afirmado em seu site oficial que preferia usar o “cheek tracking” (rastreamento da bochecha) para utilizar a interface ACAT (Sistema desenvolvido pela Intel). 

Títulos, filmes, séries e programas de TV

Membro da Pontifíca Academia das Ciências pelo Papa João Paulo II

Participação em Star Trek: The Next Generation

Participação na gravação do disco da banda Pink Floyd, The Division Bell, com a voz digital “Keep Talking”

Participação nas séries The Simpsons, Futurama, Dexter´s Laboratory, The Fairlu OddParents, no jornal Dilbert, na propaganda do canal Discovery Channel, Eu Amo o Mundo. Do episódio The Big Bang Theory, conversando com Shledon Cooper.  Leu um discurso durante a cerimônia de abertura dos Jogos Paraolímpicos Verão 2012, em Londres

Críticas

 

 

Apesar de ser um físico conhecido e renomado, muitos físicos criticam Hawking, argumentando que ele tem agido mais como um astro pop do que um físico. Em 2004, ao ter anunciado que havia solucionado o paradoxo da informação, Hawking chamou a atenção de físicos do mundo inteiro, porém nunca apresentou nenhum cálculo que comprovasse isso. Dez anos depois, chegou a dizer que os buracos negros não existem, apesar de ser consenso entre os físicos que eles existem, porém novamente ele disse sem nenhuma comprovação matemática. Novamente em 2014 ele alerta a humanidade que a manipulação de Bóson de Higgs, poderia levar à destruição do universo, a comunidade científica não deu apoio a essa tese. Inclusive, chegou a apostar com um físico da  Universidade de Michigan, que o Bóson de Higgs não existia. Peter Higgs, que fez a descoberta do Bóson de Higgs, disse que era difícil discutir com Hawking por causa de seu status de celebridade. Mario Novello, disse que atualmente a ciência se tornou midiática e Hawking atuava como uma celebridade.

 

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 14/03/2018