ConexãoIn

Moro sai do governo e motivo alegado é a ingerência política na direção da Polícia Federal

Após atitude do Presidente Bolsonaro, de exonerar o diretor geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, o Ministro da Justiça Sergio Moro deixou o governo. O anúncio da saída foi feito durante entrevista coletiva. Esta é mais uma baixa no governo Bolsonaro, desde a demissão do Ministro da Sáude, Henrique Mandetta (DEM).

A exoneração de Valeixo, que era homem de confiança de Moro, foi uma decisão individual de Bolsonaro e pegou Moro de surpresa com a publicação da decisão no Diário Oficial nesta sexta-feira, que sequer assinou a exoneração. 

Em coletiva de imprensa, Moro elogiou Valeixo, disse que só assumiu o cargo no Ministério porque Bolsonaro havia prometido carta branca e que interferências na PF não aconteceram nem durante a Lava-Jato. “Ontem veio a insitencia do presidente [para trocar o comando da PF]. Eu disse que seria interferência política e ele [Bolsonaro] disse que sim”. 

A discordância sobre o comando da Polícia Federal, que é subordinado ao ministro da Justiça, afeta a relação entre Bolsonaro e Moro desde agosto do ano passado, quando o presidente sinalizou pela primeira vez que gostaria de trocar o responsável pelas investigações da PF. Na época, interlocutores do governo conseguiram contornar a crise e impediram mudanças.

Sergio Moro é um dos nomes mais populares do atual governo e com melhor aprovação. Ele aceitou o convite de Bolsonaro para ser ministro e abandonou a carreira de magistrado após ficar conhecido nacionalmente pelo trabalho no comando da Operação Lava Jato.

Com as bandeiras de combate à corrupção e ao crime organizado, Moro assumiu o Ministério da Justiça afirmando ter recebido carta branca para realizar o seu trabalho. No entanto, ele nunca conseguiu colocar o “superpoder” em prática, sofrendo várias derrotas consecutivas, como aconteceu com o pacote anticrime.

A relação com Bolsonaro foi se deteriorando com o passar do tempo. O presidente acreditava que o então ministro não tomava providências para blindar o governo. Durante a pandemia do coronavírus, os dois voltaram a ficar de lados opostos. Moro era favorável ao isolamento social e defendia o posicionamento de Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde demitido por Bolsonaro. Foi chamado de egoísta nos bastidores pelo chefe.

Uma indicação para ser ministro no Supremo Tribunal Federal (STF) também estava nos planos de Moro. O decano Celso de Melo se aposenta em novembro e vai abrir uma vaga. O presidente é o responsável por fazer a indicação para o cargo, considerado o ponto mais alto na carreira na Magistratura. Bolsonaro teria prometido indicar o ex-ministro quando o convidou para fazer parte do governo. Porém, a indicação foi ficando cada vez mais distante e parece improvável agora.

Quem é Maurício Valeixo?

Formado em Direito e delegado de carreira da Polícia Federal, Maurício Valeixo, paranaense de Mandaguaçu, foi anunciado por Sergio Moro como chefe da corporação ainda em novembro de 2018, antes mesmo da posse de Jair Bolsonaro como presidente da República.

Até então, Valeixo era o superintendente da corporação no Paraná — que também é o Estado de origem de Sergio Moro, que considera o chefe da PF como o seu braço direito no ministério da Justiça e Segurança Pública. Ele já havia ocupado o cargo entre 2009 e 2011. O retorno ao comando da superintendência da PF no Paraná ocorreu em dezembro de 2017, depois de um período em Brasília.

Em Curitiba, Valeixo atuou em várias fases da Lava Jato, operação pela qual Sergio Moro era responsável quando juiz federal. Uma das tarefas de Valeixo à frente da Superintendência da PF no Paraná foi coordenar os trâmites para a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em abril de 2018.

Foi também em sua gestão que foi fechada a delação de Antonio Palocci com a PF em Curitiba.

Valeixo também foi responsável pela Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado (Dicor) entre 2015 e 2017 em Brasília, durante a gestão do ex-diretor da PF Leandro Daiello. O posto é considerado o de “número 3” na hierarquia da corporação e, naquela ocasião, era o setor mais ativo em tempos de Lava Jato.

POR: Rita Moraes
Publicado em 24/04/2020