ConexãoIn

Carnaval de rua em São Paulo terá tendas de acolhimento para mulheres, pessoas pretas e LGBTQIAPN+ vítimas de racismo, violência e assédio

 

 

O carnaval de rua de São Paulo superou o da capital baiana e já é o maior do mundo, de acordo com dados do Observatório de Turismo e Eventos da SPTuris (OTE). Em 2024, a cidade se prepara para receber um número de foliões superior ao ano passado, que reuniu 15 milhões de pessoas e promover uma festa segura para todas as pessoas , o evento contará com 11 tendas de acolhimento para vítimas de assédio sexual, LGBTQIAPN+fobia e racismo. A iniciativa é da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de SP (SMDHC) e faz parte da campanha “Protocolo Não Se Cale”.

 

Uma pesquisa realizada em todo o país pelo instituto Ibope Inteligência em 2020 constatou que 48% das mulheres já sofreram algum tipo de assédio durante as festividades carnavalescas. Head de diversidadeequidade e inclusão, e psicóloga na Condurú ConsultoriaJenifer Zveiter, destaca que sozinhas, as iniciativas institucionais não bastam, uma vez que o combate ao assédio deve ser responsabilidade de toda a população. “Carnaval é tempo de alegria e descontração e assim deve ser, acima de tudo, com respeito à integridade e à vontade da outra pessoa , promovendo um ambiente inclusivo e seguro. A diversidade é a essência dessa festa, e tolerar o assédio compromete a celebração”, afirma.

 

Os blocos também contarão com avisos sonoros com orientações e mensagens que reforçam o respeito às mulheres e à diversidade. Além disso, o projeto disponibilizará equipes de apoio, identificadas com camiseta rosa-choque, que andarão entre os blocos orientando os foliões sobre como proceder em caso de assédio, violência, discriminação e/ou importunação.

 

Caso tenha interesse na pauta, fico à disposição para fazer a ponte com a especialista.

 

Jenifer Zveiter 

Especialista em Diversidade, Equidade & Inclusão na Condurú Consultoria, Jenifer é bacharel em psicologia pelo Centro Universitário São Camilo. Além de sua atuação como psicológica, já colaborou como Analista Administrativo do Programa Jovem Aprendiz do Instituto Via de Acesso e foi consultora educacional do INFI (Instituto FEBRABAN de Educação), onde auxiliou na construção de soluções para área educacional, aplicação de treinamentos, atuação em processo seletivo, coordenação de corpo discente e docente, acompanhamento em sala de aula para observar questões da diversidade (exemplos e falas durante a aula) e aplicação de feedback individual sobre as pautas.

 

Condurú Consultoria

Criada em 2017, a Condurú é uma consultoria que auxilia na implementação de programas de governança, apoia a construção ou atualização de códigos de ética ou de conduta e promove palestras e workshops de diversidade e inclusão.

POR: Rita Moraes
Publicado em 08/02/2024