ConexãoIn

Benefícios da Cirurgia Plástica para pessoas 60+: o papel no resgate da autoestima e qualidade de vida

 

A busca por procedimentos e cirurgias plásticas entre homens e mulheres com mais de 60 anos tem ganhado destaque, revelando benefícios que vão além da estética, mas que impactam também a saúde emocional e física das pessoas nessa faixa etária. Isso ocorre, principalmente, a partir da mudança no perfil da população brasileira nas últimas décadas.

 

Segundo dados do Censo de 2022, divulgados na última quarta-feira (29), a expectativa de vida do brasileiro subiu para 75,5 anos. Esse aumento tem impulsionado uma crescente busca por um processo de envelhecimento saudável, tanto física quanto psicologicamente, refletindo em um maior cuidado com a aparência.

 

Na avaliação de Fabio Nahas, cirurgião plástico da SBCP com mais de 30 anos de experiência, atuação nos hospitais Albert Einstein e Sírio-Libânes, e Professor da Unifesp, “a cirurgia plástica pode restaurar a confiança e a satisfação pessoal, fortalecendo a relação positiva que o paciente tem consigo mesmo nessa idade. Além disso, procedimentos como blefaroplastia (retirada do excesso de pele ao redor dos olhos), ginecomastia e ninfoplastia também podem contribuir com uma melhora na saúde física da pessoa. Não é sobre negar a própria idade e parecer mais jovem, mas abraçar esta melhor idade com confiança e vitalidade”.
O público com mais de 60 anos já representa quase 30% dos pacientes que visitam a clínica, conforme avalia Fabio. Os procedimentos mais procurados são as cirurgias de rejuvenescimento facial, de pescoço e de lábios. Além disso, a abdominoplastia e a mamoplastia também ocupam lugar de destaque nesta faixa etária.
Cada vez mais, o público masculino também busca por cirurgias plásticas e procedimentos para uma melhora da saúde física e da autoestima. Entre as mais populares destacam-se a correção de ginecomastia (aumento da mama em homens) e a rinoplastia – especialmente em idades avançadas, o alongamento e a queda da ponta do nariz podem se tornar um incômodo para algumas pessoas.

 

O cirurgião plástico avalia que o aumento no número de idosos e na busca por procedimentos estéticos e reparadores reflete a evolução da sociedade em direção a uma valorização da saúde e do bem-estar em todas as fases da vida. “Está ultrapassada a ideia de que cuidar da aparência e da autoestima é algo limitado aos jovens. As pessoas com mais de 60 também querem se sentir bem consigo mesmas ao se olharem no espelho, e isso faz parte de um envelhecimento saudável e feliz”, afirma Fabio.

 

Sobre o Fabio Nahas

 

Com mais de 30 anos de carreira, Fabio Nahas é um dos cirurgiões plásticos mais renomados do país. Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, foi vice-presidente da ISAPS (Sociedade Internacional de Cirurgia Estética), é especializado em Cirurgia Plástica e Reconstrutora, e opera nos hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês, em São Paulo. Sua principal frente atualmente é a cirurgia plástica do contorno corporal, como abdominoplastia e mamas, sendo considerado um dos iniciadores da lipoaspiração de definição no país.
Fabio Nahas é formado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com especialização em cirurgia geral e em cirurgia plástica pela USP. Realizou “fellowship” em cirurgia plástica na Universidade do Alabama, em Birmingham, nos Estados Unidos, tem Doutorado pela Faculdade de Medicina da USP e é Livre-Docente pela Unifesp / Escola Paulista de Medicina. Atualmente, se divide entre a clínica particular, na região da Avenida Brasil, em São Paulo, e a vida acadêmica. É Professor Orientador de Teses de Mestrado e Doutorado e Professor da Escola Paulista de Medicina (Unifesp). É também Editor Associado do Aesthetic Plastic Surgery Journal, órgão oficial de publicações científicas da International Society of Plastic Surgery (ISAPS).
O cirurgião conta com diversas contribuições científicas, com mais de 400 publicações, artigos e estudos na área de atuação. Nahas tem seis livros publicados e realizou conferências e cirurgias em 33 países, em universidades como New York University, Universidade de Pittsburgh, Universidade da Califórnia em São Francisco, Clínica Mayo, Universidade de Toronto, entre outras

POR: Rita Moraes
Publicado em 05/12/2023