ConexãoIn

Otto lança Canicule Sauvage

As teclas abrem terreno, acompanhadas diretamente por percussão, baixo e bateria. O groove, intenso e hipnótico, remete inevitavelmente às incursões setentistas de Serge Gainsbourg, ainda mais porque Otto abre seu novo disco cantando em francês. “Canicule” refere-se a um fenômeno chamado “canícula”, que designa períodos de ondas de calor em geral associadas à presença de circulações atmosféricas anticiclônicas estacionárias. A música, que ainda conta com teclados que assobiam, sussurros e os vocais femininos de Kenza Said e Anais Sylla, parece nos conduzir para mais uma viagem específica sonhada pelo compositor, mas em vez disso, estamos entrando em um laboratório.

Canicule Sauvage é o sétimo disco do pernambucano, descontados discos de remixes e ao vivo, e o primeiro em que ele assina a produção de um disco. Depois de anos trabalhando com o ex-baterista da Nação Zumbi, Pupillo Oliveira (com quem fez Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos, de 2009, The Moon 1111, de 2012, e Ottomatopeia, de 2017), Otto começou a levar a sério a composição digital e um software, que já o acompanhava há anos como forma de rascunhar canções, ganhou uma importância nova em sua musicalidade.

“Isso aqui é o meu pandeiro”, ele explica apontando para o celular, ligado com o aplicativo GarageBand. Ele rapidamente abre o programa e começa a mostrar as possibilidades sonoras que ele mesmo alcançou, inclusive tocando instrumentos que não sabe tocar, emulados perfeitamente pelo software. Gesticula sobre o aparelho mostrando como o toque na tela foi crucial para que ele se entendesse com a interface do programa, provocando situações como quando foi abordado por um comissário de bordo durante um voo noturno sobre o Atlântico para saber se ele estava passando bem. Otto diverte-se contando como tirou os fones de ouvido e mostrou que estava apenas tocando uma guitarra digital em seu celular.

O contato com a produção digital não era uma novidade e foi a partir do final da gravação de Ottomatopeia que ele sentiu que poderia partir para outros rumos. Entendeu que poderia ele mesmo produzir seu trabalho. E viu-se como no começo de sua carreira solo, quando nem se via como artista sem participar de uma banda.

No meio dos anos 90, conversas com os jornalistas Alex Antunes e Camilo Rocha o libertaram da possibilidade de ser integrante de um grupo musical. Estas conversas o levaram para a música eletrônica, quando ele encontrou com o produtor Apollo Nove, outro grande produtor brasileiro, que ajudou a transformar as músicas que Otto fazia apenas no pandeiro em seu primeiro disco solo, Samba Pra Burro, de 1998.

Este novo momento o trouxe de volta para os braços de Apollo, que passou a receber tanto os rascunhos de Otto para seu próximo disco quanto a carta branca para mexer como quisesse naquelas canções. E assim Apollo foi revestindo as ideias iniciais de Otto com seu arsenal de instrumentos e teclados, ao mesmo tempo em que os dois convocavam convidados para o novo projeto.

Assim, ao contrário dos discos anteriores, que tinham rumos conceituais que acabavam por definir a atmosfera do disco, Canicule Sauvage reúne uma série de experimentos musicais em que Otto abre diferentes possibilidades musicais, como se cada uma delas pudesse parir um disco específico. Mas até por estar trabalhando com Apollo numa espécie de volta às raízes de sua carreira solo, entrega-se quase por completo à eletrônica, mesmo que em alguns momentos soe como se estivesse fazendo rock, reggae ou samba.

A intensa “Menino Vadio”, composta e cantada ao lado de Ana Cañas, carrega o disco para um outro horizonte, menos viajante, em algum lugar entre o rock, o reggae e a pianos que remetem ao rock progressivo. Em “Anna” a convidada é Nina Miranda, brasileira radicada na Inglaterra que liderava o grupo Smoke City, que visita o cantor em uma paisagem onírica temperada por uma intensa percussão nordestina. Na quarta faixa, “Você Pra Mim É Tudo”, uma canção mais tradicional, ele nos apresenta à sua atual companheira, Lavínia Alves, que divide o holofote com o pernambucano.

A canção “Candura”, que conta com a presença de outro compadre, Lirinha, mistura-se com um andamento que começa monotônico e depois flerta com o drum’n’bass, confrontando os dois universos com fluidez e naturalidade. Na oitentista “Decidez”, Lavínia volta novamente, primeiro como uma narradora robótica e depois envolvendo-se na melodia do refrão. A comadre de “Tinta” é Tulipa Ruiz, com quem Otto nunca havia trabalhado e que assina a canção com o pernambucano. “Há Tanta Gente Que Se Abre” é outro mergulho na eletrônica amparado pelos beats de Apollo e pelos vocais de Lavínia.

Nina Miranda volta em uma vinheta que tem o mesmo nome da música que participa, só que uma versão quase acústica e desnudada da produção da faixa original. A pesada “Peraí Seu Moço”, o primeiro single, quase encerra o disco e foi a faixa inspirada por Drake, que deu origem ao novo disco. O disco fecha com a malemolente “Bole Mexe”, suíngue eletrônico que Otto divide com o comparsa Junio Barreto.

Além dos vocalistas, vários amigos bons de Otto atravessam Canicule Sauvage tocando diferentes instrumentos, com percussões de Michelle Abu e Malê, baterias de Samuel Fraga e Pupillo, violões de Juliano Hollanda e baixo de Douglas Couto. Apollo, que coassina a produção do disco com Otto, além de ajudar a colocar este laboratório em pé, equilibra-se entre teclas e synths, pilotando pianos, Korgs, Rhodes, Arps, DX5, Hammond, Minimoogs e tantos outros instrumentos eletrônicos, além de baixos, gaitas e guitarras.

É um novo começo para Otto, que não para de compor com seu novo pandeiro.

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 29/04/2022