ConexãoIn

Novo filme de François Ozon, “Está Tudo Bem”, chega nos cinemas dia 02 de junho

O cineasta François Ozon teve seus primeiros contatos com a romancista francesa Emmanuèle Bernheim no ano 2000, quando estava tendo problemas com o roteiro de “Swimming Pool – À Beira da Piscina”. Ela o ajudou na reescritura do roteiro e se tornaram grandes amigos. Anos depois ela o enviou o manuscrito de seu livro “Está tudo bem”, ele achou que ali havia um belo filme. “Ela me perguntou seu eu queria adaptar, mas achei uma história pessoal demais, e, naquele momento, eu não conseguia lidar com isso.” Foi só após a morte da escritora, em 2017, que o cineasta voltou a penar numa adaptação.” ESTÁ TUDO BEM chega aos cinemas brasileiros em 02 de junho.

O filme, que fez sua estreia mundial no Festival de Cannes de 2021, traz Sophie Marceau no papel de Emmanuèle, uma escritora cujo pai, depois de sofrer um derrame e ficar no hospital pede ajuda à filha para morrer. O personagem é interpretado por André Dussollier.

Ozon, que também assina o roteiro, conta que, com esse longa, queria honrar a literatura e a experiência pessoal de sua amiga, com quem também trabalhou no roteiro de “Rick” e “O amor em 5 tempos”. “Não é um filme sobre eutanásia. Obviamente, cada um de nós temos nossos próprios sentimentos e questões sobre a morte, mas o que me interessava acima de tudo era o relacionamento entre pais e filhas.”

O cineasta explica que sempre quis trabalhar com Sophie Marceau (“007 – O Mundo Não é o Bastante”), que a convidou para diversos projetos, mas nunca tinha dado certo. “Intuitivamente, achei que esse era o momento certo para fazermos um filme juntos. Enviei o livro para ela, que adorou, e, a partir desse momento, comecei a escrever o roteiro.”

Embora não tivesse intenções de, nas suas palavras, “trair Emmanuèle”, Ozon sabia que precisa tomar a história do livro para si, por isso, acabou fazendo algumas mudanças. “Eu a conhecia muito bem, e sabia que não ficara ofendida com o que está diferente no filme, nem teria me censurado. Ela era muito generosa em sua escrita, e tinha uma tendência a se concentrar na humanidade e na beleza das coisas.”

Em relação a  Dussollier, que faz o pai da protagonista, o diretor confessa sempre ter sido um fã dele, em especial de seus trabalhos com Allain Resnais e Eric Rohmer. “Ele logo se empolgou com a história, e compreendeu muito bem o personagem. Ele trouxe muito humor e sagacidade. Também fizemos muitas pesquisas sobre derrame, e nos reunimos com médicos que pudessem nos falar mais sobre as consequências.”

Outro destaque no filme é veterana atriz alemã Hanna Schygulla, musa de Fassbinder, que aqui faz uma alemã na Suíça. “Eu a conheci num festival em Hamburgo, onde ela me entregou um prêmio, mas sempre a admirei como atriz. No filme, ela deveria fazer uma mulher com sotaque suíço-alemão, mas ela não estava conseguindo. Mudei os planos, e ela fez uma alemã que mora na Suíça. No livro, Emmanuèle abraça uma policial, aqui eu queria que abraçasse uma senhor suíça, uma bela personagem, repleta de uma humanidade misteriosa.”

The Hollywood repórter chamou o filme de “honesto e inteligente, que prende a atenção.” Já a Variety apontou que é “elegantemente escrito, persuasivamente interpretado, e que encontra o sempre imprevisível Ozon na sua forma mais pragmática como cineasta.”

ESTÁ TUDO BEM será lançado no Brasil pela Califórnia Filmes.

POR: Rita Moraes
Publicado em 18/05/2022