ConexãoIn

Mulher morre e corpo fica quase três anos esquecido em apartamento de Londres

A secretária médica Sheila Seleoane, de 61 anos, foi encontrada morta no início deste ano, em seu apartamento em Londres, Reino Unido. A história chama atenção porque o corpo foi encontrado quase três anos depois do falecimento.

Reportagens do jornal britânico “The Guardian” trouxeram mais detalhes do episódio nas últimas semanas. Seleoane não tinha amigos ou familiares próximos, e não foi procurada nem ao parar de pagar aluguel em 2019.

O corpo no sofá só foi descoberto depois de um alerta à polícia local sobre danos em uma porta da varanda do apartamento em Peckham, sul de Londres, causados por tempestades. Sem resposta da moradora, as autoridades forçaram a entrada.

Como ninguém notou?

O legista Julian Morris concedeu entrevista ao jornal nesta semana e disse que ficou “claro que algo deu errado” depois que tantos eventos incomuns não tenham gerado a suspeita que havia uma pessoa sem vida dentro do imóvel.

Segundo a investigação publicada pelo Guardian, vizinhos haviam reclamado repetidamente do cheiro vindo do apartamento, mas a Peabody Trust, associação habitacional que age como gestora do imóvel, ignorou a questão.

Relatos dos vizinhos trazidos pelo jornal dão conta do aparecimento de larvas e moscas vindas do apartamento semanas depois da interrupção de pagamentos de aluguel, em agosto de 2019. Em outubro de 2020, um vizinho mencionou que o cheiro era “como de um cadáver”.

O relatório final do caso encontrou ao menos 89 tentativas de contato com Seleoane entre agosto de 2019 e fevereiro de 2022, que não foram respondidas, nem acompanhadas.

Já os dirigentes da Peabody disseram ao relatório que buscaram garantir “qualquer contato” com Seleoane, mas preferiram o envio de e-mails, mensagens de texto, carta ou ligação telefônica e enviaram registros como evidência de que o trabalho havia sido feito

O caso gerou discussão sobre se deve considerar como tratamento digno dispensado não só aos clientes da Peabody, como no atendimento como um todo.

Um comunicado assinado pelo CEO da Peabody, Ian McDermott, e publicado pelo Guardian, diz que a empresa está “devastada” com o que aconteceu. “Sentimos muito por nossa parte nisso e pedimos desculpas a Sheila, sua família e a todos que vivem em Lord’s Court. Ao agir neste caso, não fizemos a pergunta mais fundamental: Sheila está bem?”

Mas há falhas inclusive das autoridades. O inquérito mostra que um gerente da Peabody pediu à polícia que fizesse uma verificação de bem-estar em outubro de 2020. E, por um erro de processo, a polícia informou ao gerente da associação que agentes falaram com a moradadora, que estava “segura e bem”.

Ainda assim, a verificação só foi feita mais de um ano depois da estimativa de morte de Sheila Seleoane. Seus últimos cupons de compra de comida, encontrados no apartamento, junto com o corpo, são de agosto de 2019.

Sobre a Peabody 

O Peabody  foi fundado em 1862 como o Peabody Doação Fund e agora se marca simplesmente como Peabody.  É uma das mais antigas e maiores associações habitacionais de Londres, com cerca de 55.000 propriedades em Londres e no Sudeste. É também uma sociedade de benefícios comunitários e uma agência de regeneração urbana, um desenvolvedor com foco na regeneração e um provedor de uma ampla gama de programas comunitários.

Quem era Sheila Seleone?

Muito pouco se sabe sobre Sheila Seleoane, a mulher cujo corpo foi encontrado em um apartamento em Londres – quase três anos depois de ter morrido.

Embora os detalhes de sua autópsia ainda não tenham sido revelados, alguns dados sobre ela foram descobertos: a mãe de Seleoane, Adelina, emigrou da África do Sul para o Reino Unido em 1954, onde trabalhou como governanta para um médico de Londres. Seleoane trabalhou como secretária médica e alugou um apartamento da Peabody Trust.

Uma mulher identificada como “Christine” compartilhou o pouco que sabe sobre Seleoane.

Falando ao The Guardian, ela disse que Seleoane parecia muito mais jovem do que sua idade.

“Ela estava sempre vestida com calças pretas, sapatos de corte e uma camisa branca”, disse a mulher, que era vizinha de Seleoane.

Ela acrescentou que Seleoane nunca teve visitas.

“É tão difícil entender por que nenhum de seus amigos ou colegas ou seu chefe sentiu falta dela. Ninguém veio procurá-la”, disse a mulher.

Outro vizinho revelou que não sabia o nome de Seleoane, mas ela frequentemente cumprimentava seus filhos.

“Eu nunca entrei no apartamento dela. Neste país, você não se comunica com seus vizinhos”, disse o homem ao The Guardian.

Outros vizinhos desde então expressaram remorso, dizendo que tinham vidas ocupadas que os impediam de fazer amizade com ela.

Enterro

Após um funeral, com a presença de seu irmão Victos, condenado por assassinato, um presidiário, e um representante do Trust, os restos mortais de Seleoane foram levados para o Cabo Oriental, onde ela foi enterrada.

O Peabody providenciou e pagou para que os restos mortais fossem levados para a África do Sul.

A cerimônia foi realizada no mês passado em uma capela lotada cujas paredes de tijolos nus ecoavam para agitar elogios e as tensões edificantes de um coro gospel, foi uma ocasião magnífica que finalmente lhe trouxe a dignidade e o afeto que lhe foi negada.

Alguns membros de sua extensa família sul-africana viajaram muitos quilômetros para estar entre os 100, ou mais, enlutados liderados pela irmã Seleoane, Bella Brooms, um de seus dois irmãos sobreviventes.

POR: Rita Moraes
Publicado em 24/07/2022