ConexãoIn

Morre joalheira Miriam Kimelblat, filha do fundador das joalheirias Natan e famosa pelas pulseiras “musthave”

A designer de joias carioca Miriam Kimelblat morreu, aos 61 anos, nesta segunda, dia 16, no hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, no Rio, em decorrência de uma inflamação no cérebro em consequência de uma síndrome neurológica rara, descoberta em fevereiro deste ano. Filha do joalheiro Natan Kimelblat, nome associado a uma das maiores grifes de joias do Brasil, a Natan, cujas lojas fecharam em 2013, Miriam ficou famosa por criar peças elegantes e originais.

Por muitos anos, Miriam – formada em Psicologia – trabalhou na joalheria da família. Quando começou a pensar numa vida fora da Natan, o plano era fazer uma coleção bem brasileira (e bem ousada) para exportar. Mas o destino quis diferente. Quando as primeiras peças ficaram prontas, Miriam chamou amigos mais chegados para opinarem e, quando viu, tinha vendido tudo. “Sempre tive vontade de fazer um trabalho internacional como designer brasileira. E o foco da Natan sempre foi aqui, nunca exportar”, contou ela, em reportagem publicada no GLOBO em 2007.

Em 1999, pouco antes de fechar o consultório para se dedicar integralmente à Natan, ela foi convidada a participar, em Paris, de um concurso internacional de joias feitas com pérolas negras do Taiti. Fez um par de brincos com imensas franjas de ouro branco e brilhantes na ponta. Ficou em primeiro lugar e, com a repercussão, ainda foi eleita designer do ano pela Vogue Gioielli. Detalhe importantíssimo : em 1999 quase não se usavam brincos longos, muito menos com franjas. O nome Miriam Kimelblat começou a aparecer aí. Em 2005, durante o Ano do Brasil na França, ela foi chamada para participar de uma exposição na loja de departamentos Printemps, também em Paris. “E aí foi crescendo a vontade de ter um canto meu, onde eu pudesse fazer um trabalho conceitual e ligado a uma paixão minha que é a natureza. Criei meus filhos ensinando a apreciar uma flor bonita”, narrou, em entrevista. Entre os destaques de suas criações estão o anel de chifre, com orquídea de ouro e as pulseiras “musthave”. Miriam deixa três filhos, Alexandre, Patrick e Arthur, e três netos.

Sobre o pai, fundador da Natan
 
O ucraniano Natan Kimelblat chegou ao Brasil em 1946 e começou a construir seu reinado na joalheria. Na mesma época em que vieram outros e prosperam, como Jules Sauer, da Amsterdam Sauer, e Hans Stern, da H. Stern. Aqui, ele é beijado pelas filhas, Miriam Kimelblat e Jane Rose Klarnet. Com as joias preciosas a lhes correrem nas veias, elas permanecem na atividade da joalheria, individualmente. Faleceu em 2013. 
POR: Rita Moraes
Publicado em 17/05/2022