ConexãoIn

“Meu pênis encolheu 3,8 cm após ter Covid”, conta homem de 30 anos

Um homem anônimo de 30 anos compartilhou, durante uma participação no podcast americano How to Do It, sua história com as sequelas da Covid-19 e assustou muitos ouvintes. Ele afirma que após contrair a Covid-19, ficou com marcas duradouras em seu corpo, e uma delas, a pior de todas foi que seu membro sexual encolheu 3,8 cm. Os  médicos o informaram que a diminuição não pode ser revertida.

De acordo com homem, antes seu pênis estava acima do tamanho médio. Entretanto, em julho de 2021, ele testou positivo para a Covid-19, seu estado agravou e foi vítima do chamado “Covid Dick” – termo escolhido por urologistas para se referir a diminuição do pênis após a doença.

“Meu pênis encolheu. Antes de ficar doente, eu estava acima da média, não enorme, mas definitivamente maior que o normal. Agora eu perdi cerca de 3,8 cm e me tornei decididamente menor que a média”, desabafa o homem no podcast.

Ele também alega ter sofrido disfunção erétil, mas o problema foi melhorando gradualmente com alguns cuidados médicos. Todavia, ele diz se sentir ainda muito frustrado. “Isso realmente não deveria importar, mas teve um impacto profundo na minha autoconfiança e em minhas habilidades na cama”, afirma.

Vasos sanguíneos danificados

Especialistas explicam que partículas do Sars-CoV-2 podem danificar vasos sanguíneos e permanecer no tecido peniano mesmo após a recuperação do paciente, contribuindo para possíveis problemas de disfunção erétil e redução do órgão genital.

Um estudo conduzido pela Universidade College London, no Reino Unido, realizado com 3.400 pessoas descobriu que, de 203 pacientes que relatam sintomas duradouros da Covid-19, quase 5% dos homens sofreram uma diminuição no tamanho dos testículos/pênis. Os resultados foram publicados na revista científica EClinicaMedicie, do Grupo The LAncet. 

Ashley Winter, urologista em Portland, nos Estados Unidos, explicou que o encolhimento do pênis após a Covid-19 é um efeito dominó da disfunção erétil.

POR: Rita Moraes
Publicado em 13/01/2022