ConexãoIn

Manouche reabre suas portas no Jardim Botânico para a boa música e comédia inteligente

Manouche, “palquinho de cortinas de veludo vermelho” no subsolo da Casa Camolese, reabre as portas com extensa programação cultural. Por lá já passaram  Maria Bethânia em julho de 2019 e novos talentos, a exemplo de Letrux, além de diversos projetos autorais, teatro e palestras sobre filosofia, política e saberes ancestrais.

A programação de abertura traz música, teatro, comédia, com nomes consagrados e novos talentos. Confira:

08 de março – Dia Internacional da Mulher – Rita Redshoes e Bruno Santos (Portugal) com participação especial de Pedro Luís e show de abertura: Marcello Magdaleno

A cantora e multi-instrumentista portuguesa Rita Redshoes é a primeira atração da reabertura do Manouche, em 08 de março, dia das mulheres. Bem conhecida da cena musical lusitana contemporânea, Rita começou sua carreira tocando em diversas bandas – foi baterista, tecladista e baixista. Seu “Redshoes” foi adotado em 2007, com inspiração em “O Mágico de Oz” e na letra de  “Let´s dance”, de David Bowie. É de 2008 seu primeiro disco solo, “Golden Era”, uma coletânea de canções pop melódicas que remetem aos universos de Fiona Apple, Cat Power e dos primeiros tempos do Goldfrapp. Tem cinco discos solo lançados, sendo o mais recente, “Lado Bom” (2021) e os primeiros totalmente cantados em inglês. É também autora de quatro livros publicados e acaba de ganhar o Prêmio da Sociedade Portuguesa de Autores.

Seu primeiro show no Brasil promete ser intimista e emotivo. Ela estará acompanhada da guitarra de Bruno Santos, outro reconhecido músico português, em melodias que dão novas cores e formas ao seu repertório, assim como para clássicos do jazz e da música brasileira. E por falar nisto, Pedro Luís, um dos artistas por quem o palco do Manouche morre de amores,  e que é a própria tradução do suingue carioca, fará participação especial, lhe dando as boas vindas ao Rio. 

A noite conta ainda com show de abertura  do saxofonista e compositor Marcello Magdaleno, que lança o álbum solo “Astronáutico”. O trabalho apresenta canções autorais inspiradas nas cidades de Luanda, Rio de Janeiro e Lisboa. Suas canções, algumas em parceria com o escritor angolano Ondjaki, são pontes poéticas construídas durante viagens por estas cidades.

Conheça mais sobre Rita Redshoes aqui https://www.youtube.com/channel/UCB-kDGEF7uxGzzbKK6BujZA

 

Dias 09, 16, 23 e 30 de março  (temporada às quartas) – Comédia no Manouche

Helio de la Penã e Claudio Torres Gonzaga convidam alguns de melhores nomes do humor brasileiro

Rir é preciso. Sobretudo em tempos de caos e barbárie – e das piadas certas. Às quartas-feiras de março, o Casseta e Planeta Hélio de la Peña e Claudio Torres Gonzaga, redator de programas como “A Grande Família” e “Sai de Baixo” e um dos criadores do stand up “Comédia em Pé”, recebem nomes diversos do crème da la crème da comédia carioca como convidados, fazendo de cada noite um espetáculo diferente, numa atmosfera que lembra os clubes de comédia nova-iorquinos.  Não deixe para amanhã a gargalhada que você pode dar hoje. 

Convidados de março: 

* 09/03: Smigol e Felipe Ruggeri

* 16/03: Marcos Castro, Luciana Daulizio e Jeffinho Farias

* 23/03: Marcos Veras e Ju Querido

* 30/03: Heloisa Perissé e Absalão 

 

Dias 10, 17 e 24 de março (temporada às quintas) – The Silva´S

Liminha, João Barone, Toni Platão e Pedro Dias tocam surf music y otras cositas más

Yes, nós temos surf music. Quando um dos grandes guitarristas e produtores da música brasileira, que tocou com nada menos que Os Mutantes, se junta ao baterista dos Paralamas do Sucesso por pura diversão e esta diversão atende pelo nome de surf music, that´s the way we like it. 

Liminha (guitarra), João Barone (bateria), Toni Platão (vocais) e Pedro Dias (baixo)  tocam clássicos de Dick Dale, The Ventures e The Shadows e temas de “Missão Impossível” e “Havaii 5-0”, intercalados por rock dos anos 60 e 70 em versões explosivas.

 

Dias 11, 18 e 25 de março, (temporada às sextas)  – Marcelo Serrado e Conexão Rio em “Sinatra a Wando e outras bossas”

Apaixonado pelo repertório elegante de Frank Sinatra desde pequeno, quando seus pais o ouviam em casa, o ator, cantor, diretor e produtor Marcelo Serrado mostra seu lado crooner no show “Sinatra a Wando e outras bossas”, que faz temporada às sextas de janeiro na reabertura do Manouche. 

Acompanhado da banda Conexão Rio, Marcelo passeia com sensibilidade e humor também por clássicos de Michael Bublé e Tom Jobim e Cauby Peixoto e ainda pela irreverência de Luis Miguel, Sidney Magal e Wando, entre outros artistas, já que humor é preciso.

O grupo Conexão Rio, que completa 20 anos de estrada este ano, é formado por André Cechinel (piano), Fernando Barroso (baixo), Fernando Clark (guitarra) e Zé Mário (bateria). 

 

Dia 15 de março, terça-feira – Viviane Mosé e Jonathan Ferr em “Poesia e Piano” 

A filósofa, poeta e escritora Viviane Mosé, queridíssima do palco deste palco, onde já fez memoráveis noites de palestras filosóficas com sua vocação para ampliar o olhar coletivo sobre a existência, e o pianista Jonathan Ferr têm se encontrado frequentemente. É dela a única letra do elogiado novo disco dele, “Cura”. E ela tem também participado também dos seus shows.

No palco do Manouche, ampliam ainda mais este crush artístico e fusão de linguagens, emaranhando poesia e música despudoradamente neste “Poesia e Piano”.

 

Dia 19 de março, sábado – Edgard Duvivier e Dami Andres no show “Canto de Orfeu”

O que uma noite de jazz pode fazer pela sua alma: A elegância da música de Edgar Duvivier (sax e clarinete), pai de Gregório Duvivier, volta ao Manouche acompanhado do amigo Dami Andres (violão de 8 cordas).

No repertório, clássicos da música brasileira com pitadas latinas e improvisações jazzísticas, sempre com a finesse que lhes é peculiar. 

“Celebrando a volta da música aos palcos cariocas, chamamos nosso show de ‘Canto de Orfeu’. Na mitologia Orfeu é o lendário músico que a todos encantava com sua lira e que desce ao mundo dos mortos para buscar sua amada Eurídice. Através de sua arte, é um dos únicos seres vivos que foi capaz de ir ao outro lado e voltar para o nosso mundo. Porém, para que trouxesse Eurídice sã e salva, existia uma condição: ele não poderia olhar para trás enquanto estivesse voltando. Ansioso, ele não agüenta e vira para ver sua amada, perdendo-a para sempre. Este mito nos mostra que para sair do ‘inferno’, não podemos olhar para trás. Sigamos em frente, tocando, fazendo arte, procurando amar e ser amados. A arte é nossa salvação”, comenta Edgar.

 

Dia 22 de março, terça-feira – Flamingos (Kassin, Marlon Sette, Rodrigo Suricato, Dedê Silva, Danilo Andrade, Diogo Gomes e Jorge Continentino)

Quando alguns dos melhores músicos do Rio sobem ao palco para te fazer dançar. A nova banda de baile Flamingos, formada por Kassin, criador da Orquestra Imperial, Dedê Silva (bateria), Danilo Andrade (teclados), Rodrigo Suricato (guitarra e voz), Marlon Sette (trombone), Diogo Gomes (trompete) e Jorge Continentino (saxofone)  toca soul, funk 70, Motown, bolero e muito mais pra deixar quadris espertos animados.

 

Dia 29 de março, terça-feira– Anders Helmerson (Suécia) com o show “Opus I”  

O pianista e compositor sueco radicado na Inglaterra  Anders  Helmerson  volta  ao  Brasil, em sua nova tour, do álbum “Opus   I”.

Quatro décadas depois de sua estreia, ele chegou a uma original mescla de sua formação clássica com as paixões pelo progressivo e pelo jazz cada vez mais ampliadas.

 Conheça mais sobre Anders Helmerson aqui https://www.youtube.com/c/AndersHelmerson

 

Serviço Manouche

Endereço: Rua Jardim Botânico, 983 (subsolo do restaurante Casa Camolese)  – Jardim Botânico

Horário dos shows – 21h

Ingressos:

* Edgard Duvivier e Dami Andres – R$ 60 (solidário e meia entrada) e R$ 120,00 (inteira).  

Demais shows/eventos – R$ 50,00 (ingresso solidário – levando um quilo de alimento não perecível ou um livro –  e meia entrada) e R$ 100,00 (inteira)

Vendas: os ingressos são vendidos somente pela bilheteria digital  https://manouche.byinti.com/#/ticket/  e os lugares são por ordem de chegada.

Observações:

* A casa abre uma hora antes do início da apresentação, com cardápio de drinks e aperitivos do restaurante Casa Camolese. 

* É imprescindível a apresentação de comprovante de vacinação na entrada e uso de máscaras em função da Lei e em respeito ao coletivo.

#conexaoin

#conectadocomanoticia 

POR: Rita Moraes
Publicado em 01/03/2022