ConexãoIn

Ela matou 20 idosos, quando deveria cuidar deles e foi condenada à Prisão Perpetua

A enfermeira Ayumi Kuboki entrou para a história dos Serial killers, ao confessar há cinco anos atrás, que matou 20 pacientes ao contaminar seus soros intravenosos com desinfetante. Ela foi condenada à prisão perpétua na última terça-feira, 9, no Japão.

Aos 34 anos, o crime chocou o opinião público do país. Ela admitiu ter matado 20 pacientes, que tinham entre 70 e 80 anos,  mas depois disse aos promotores que não falaria sobre o fato durante o julgamento.

O juiz do tribunal distrital de Yokohama, responsável pelo caso, afirmou ter considerado a hipótese de condenar Kuboki à morte. “Ela disse que se arrepende e quer pagar por seu crime. Há uma possibilidade de que ela se reabilite”, disse o juiz ao desistir da pena capital.

Pena de Morte no Japão

O Japão é um dos poucos países desenvolvidos que ainda aplicam a pena de morte — e ela tem grande apoio popular, apesar das críticas internacionais. Mais de 100 pessoas aguardam na fila para serem executadas atualmente.

“Matou pessoas inocentes”

Os promotores haviam pedido a pena capital para Kuboki, enquanto seus advogados defenderam que ela sofria de depressão devido ao estresse pela morte dos pacientes.

Segundo a emissora pública japonesa NHK, o filho de uma das vítimas discordou da decisão. “Ela matou pessoas inocentes por motivos egoístas e não foi condenada à morte. Está errado”.

Entenda o caso

Ayumi Kobuki trabalha em um hospital da periferia de Tókio. Ela foi detida, quando exames detectaram a presença de líquido desinfetante no corpo de quatro septuagenários e octogenários mortos no mesmo hospital. 

As investigações começaram a partir da morte de um paciente de 88 anos, ocorrida em 2016. 

A enfermeira teria cometido os crimes para determinar o momento da morte dos pacientes, para que não ocorresse durante seu turno. “Explicar às famílias a morte de um parente era difícil para mim durante meu plantão”, teria dito aos policiais.
 
#conexaoin
#conectadocomanoticia
#enfermeira
#mortedepacientes
POR: Rita Moraes
Publicado em 10/11/2021