ConexãoIn


Câncer de mama: Outubro Rosa alerta para a importância da prevenção e do diagnóstico precoce

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), em 2022, estima-se que ocorrerão 66.280 casos novos de câncer de mama no Brasil. Essa doença é causada pela multiplicação desordenada de células da mama e, por conta disso, células anormais são geradas e se multiplicam, formando um tumor.

“Como hábitos de estilo de vida estão cada vez mais associados ao risco de desenvolvimento de câncer de mama, manter um peso adequado, alimentar-se de forma saudável, não fumar e evitar o consumo de bebidas alcóolicas, são ações fundamentais para as mulheres se protegerem contra a doença”, explica a ginecologista do Itaigara Memorial Instituto da Mulher, Silvana Argollo.

O câncer de mama, apesar de ocorrer quase que exclusivamente em mulheres, também pode atingir homens. A boa notícia é que a doença tem mais de 90% de chances de cura quando feito o diagnóstico precoce. Ainda de acordo com a ginecologista Silvana Argollo, para que isso seja possível, é imprescindível a realização regular do check-up ginecológico. A mamografia, exame mais indicado para a detecção precoce do câncer de mama, é uma radiografia das mamas, feita com um aparelho específico, com baixíssimo nível de radiação.

A mastologista do Itaigara Memorial Instituto da Mulher, Vanessa Paes, também faz um alerta no que diz respeito a necessidade da mulher conhecer mais o seu corpo. De acordo com ela, é possível notar alguns sintomas e sinais da doença na sua fase inicial, como:

  • Nódulo (caroço), fixo e geralmente indolor;

  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;

  • Alterações no bico do peito;

  • Pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço;

  • Saída espontânea de líquido pelos mamilos.

“Qualquer um desses sinais e sintomas devem ser investigados por um médico. Pois, só assim é possível ter uma avaliação correta”, reitera Dra. Cristina Carvalho. O Itaigara Memorial Instituto da Mulher conta com uma equipe multidisciplinar incluindo ginecologistas e mastologistas aptos para cuidar da saúde feminina.

POR: Rita Moraes
Publicado em 07/10/2022