ConexãoIn

Ananda Barreto lança videoclipe de ‘Sereu’ e convoca o público para soltar a pélvis nesse verão

Após uma série de 6 lives realizadas em 2021, por meio do PROAC, Ananda Barreto divulga videoclipe para ‘Sereu’.  Já disponível em todas as plataformas de streaming, projeto marca mais um passo da artista notável pelo seu estilo autêntico, ousado e pélvico, carregando em sua trajetória a fusão da dramaticidade e expressão do teatro com os sons dos quais foi influenciada: os ritmos populares do Nordeste, o samba de parêia, o coco, o brega, o jazz, o pop, o rock, a MPB e o flamenco (fruto dos quatro anos da sua passagem por Andalucia, Espanha).

Em ‘Sereu’, a cantora encontra uma maneira despojada, dançante e perfomática para falar sobre a autoestima, questionamentos do lugar da mulher, suas lutas internas e os diálogos consigo mesma, com o outro, com o mundo e esse tal rompimento com as cobranças da sociedade. Além disso, Ananda reverencia a cultura do seu estado, Sergipe, trazendo uma citação do folguedo popular do Guerreiro em um trecho da canção.

Gravada no Estúdio Flutuante em Ubatuba/SP, faixa tem arranjos e produção de Tomás Bastos (Trupe Chá de Boldo). A mixagem e masterização é assinada por Renato Medeiros.

“Nesse som eu falo sobre meu processo pessoal de aceitação, de reconhecer meus valores sem medo de ser julgada. Reflito sobre essa cobrança coletiva por uma postura de amor próprio que, ao mesmo tempo, critica quem se ama. É um olhar pra si e para o aceitar tudo, não só o que agrada, mas o que desagrada também. É um grito para tudo que não podemos mais calar”.

O clipe, dirigido e roteirizado pela cineasta Alice Stamato, imprime esse mundo imagético/poético da personagem, que sai em busca da sua liberdade, largando as amarras, pressões sociais e padrões que não a permite ser quem ela realmente é. A fotografia desse audiovisual vem colorida, escrachada, ritmada com uma estética que bebe do brega, do cabaré e espelha a semelhança da cultura caiçara com a cultura nordestina. O encontro nesse tempo-espaço indefinido de personagens “excêntricos”  desperta apoios mútuos. No elenco, a cena LGBTQIA+ é representada com protagonismo. 

 
O resultado integra e antecipa o já confirmado disco ‘Olho de Dentro’. Parte do material foi apresentada em shows com transmissão online e já conta com mais 2 singles previstos para os próximos meses.

“Para produzir o álbum completo ainda é preciso levantar o investimento necessário. Ser artista independente, mulher, mãe e nordestina neste país não está fácil, ainda mais com o desmonte das políticas culturais. Mas a gente resiste, faz vaquinha online, dá uns pulinhos, conta com o apoio de aliados e se produz. Espero que o público aprecie e faça essa música bombar neste verão”.

Acompanhada por Tomás Bastos (guitarra/teclado), Marilua Azevedo (percussão), Leandro Lisi (bateria), Fuca (baixo) e Rafael Gandolfo (violoncelo),  Ananda é vida/arte/vida. Radicada em Ubatuba, segue em carreira solo desde 2014. Teve suas experiências artísticas iniciadas no âmbito familiar, uma vez que este núcleo se compõe de cantores, compositores, atores, bonequeiros e artesãos. Por 16 anos foi integrante do Grupo de Teatro de Bonecos Mamulengo de Cheiroso/SE, onde aprendeu a atuar, cantar, improvisar, se permitir expor ao ridículo, entrar em contato com a própria sombra, brincar e modelar criaturas com vida própria.

#conexaoin
#conectadocomanoticia
POR: Rita Moraes
Publicado em 06/03/2022