ConexãoIn

Trompetista que tocou com ícone do jazz Miles Davis, morre por coronavírus

O trompetista Wallace Roney, que ficou conhecido por tocar com Miles Davis, morreu terça-feira em Paterson, Nova Jersey. Ele tinha 59 anos. A causa foram complicações do coronavírus, segundo sua noiva, Dawn Jones.

No momento em que Roney se conectou com Davis, o trompetista já era uma voz de liderança no que veio a ser chamado de movimento Young Lions, um círculo de jovens músicos dedicados a trazer o jazz de volta à linha com seu som do meio do século.

E ele já estava associado – às vezes de maneira perturbadora – ao legado de Davis. Muitos o rejeitaram como um clone musical: arrebatadoramente talentoso, mas sem a distância necessária de seu ídolo para reivindicar uma agência criativa.

No entanto, ao longo de sua carreira, Roney conseguiu neutralizar a maioria dessas críticas. Sua compreensão sutil da música de Davis – seus sons harmônicos e rítmicos, bem como seu tom ardente – era apenas parte de um vasto conhecimento musical. Sua atuação foi um investimento em toda a linhagem de trompetes de jazz.

E nas composições de Roney, a maioria das ideias começou no centro da linguagem mainstream do jazz e abriu caminho, muitas vezes por meio de música funk, hip-hop, pop, brasileira ou afro-caribenha.

Roney fez quase 20 álbuns como líder de banda, incluindo três para a Warner Bros. no auge da era Young Lions, todos baseados em seu inabalável comando linguístico e seu apetite por aventura harmônica.

Suas gravações para o Muse no final dos anos 80 e início dos anos 90 – especialmente sua estréia em 1987, Verses – apresentavam uma mistura de músicos de jazz da lista A da geração de Roney e os anteriores, e o estabeleceram como um jovem líder de banda jovem.

POR: Rita Moraes
Publicado em 01/04/2020