ConexãoIn

Revelada a face do hominídeo Denisova, parente perdido do ser humano

Por meio de análises de DNA de três dentes, um osso de dedo mindinho e uma mandíbula encontrados em 2008, cientistas da Universidade Hebraica de Jerusalém reconstituíram os traços da espécie, sobre a qual ainda se sabe pouco. Pouco mais de uma década depois da descoberta de restos dos hominídeos de Denisova em uma caverna da Sibéria, pesquisadores fizeram a primeira reconstrução do rosto destes “parentes distantes” dos humanos modernos. Por meio de análises de DNA do material encontrado em 2008 – três dentes, um osso de dedo mindinho e uma mandíbula -, cientistas da Universidade Hebraica de Jerusalém reconstituíram os traços da espécie, extinta há cerca de 50 mil anos.
 
Acredita-se que os hominídeos de Denisova habitaram a região da atual Sibéria e parte do leste da Ásia. Também há evidências de que eles viveram em regiões altas do Tibete, passando adiante genes que ajudaram humanos modernos a se adaptar a regiões de altitude. Cerca de 5% do DNA da população nativa da Oceania pode ser ligado aos hominídeos de Denisova, dizem estudos. Não se sabe como eles desapareceram.
 
Semelhanças e diferenças:
 
“Os hominídeos de Denisova se assemelhavam aos Neandertais de várias maneiras, mas alguns de seus traços se aproximavam mais aos dos humanos modernos ? outros eram únicos”, diz o professor Liran Carmel, um dos autores do estudo e pesquisador da Universidade Hebraica de Jerusalém. O trabalho foi publicado na revista científica Cell nesta quinta-feira (19). Aproximadamente 100 mil anos atrás, grupos diferentes de hominídeos – incluindo os seres humanos modernos, Neandertais e os Denisova – conviviam no planeta. A reconstrução – baseada em complexas análises de DNA dessas espécies e de outro homínideo, os chimpanzés – mostra que o crânio do hominídeo de Denisova era provavelmente mais largo do que o dos humanos modernos ou dos Neandertais. Eles também tinham o queixo “para dentro”. Assim como os Neandertais, tinham a testa protuberante e o rosto largo. Como os humanos modernos, a arcada dental ampla. Para Carmel, o trabalho é apenas o começo de uma longa pesquisa sobre os Denisova, sobre a qual a Ciência ainda sabe muito pouco. “Eles eram muito semelhantes a nós em alguns aspectos. Por isso, é fundamental entender as diferenças para tentar compreender como nos adaptamos no mundo”, disse à BBC.
 
Fonte: BBC
POR: Rita Moraes
Publicado em 25/09/2019