Pix é o pagamento instantâneo brasileiro. O meio de pagamento criado pelo Banco Central (BC) em que os recursos são transferidos entre contas em poucos segundos, a qualquer hora ou dia.
Pix é o pagamento instantâneo brasileiro. O meio de pagamento criado pelo Banco Central (BC) em que os recursos são transferidos entre contas em poucos segundos, a qualquer hora ou dia.

O Banco Central anunciou que está trabalhando para desenvolver o chamado “Pix Garantido”, que vai  permitir que o usuário parcele compras no futuro usando o meio de pagamentos.

O BC ainda não forneceu mais detalhes ou informou se haverá cobrança de juros para fazer esse parcelamento. A modalidade vai surgir como uma alternativa às parcelas do cartão de crédito, que é muito utilizado pelos brasileiros em compras de maior valor, mas com algumas diferenças.

“O PIX Garantido (parcelado) é um produto na agenda evolutiva do PIX, porém ainda não foi lançado pelo Banco Central e não há previsão de lançamento. Nada impede que os bancos, desde já, ofertem crédito e a possibilidade de pagamento em parcelas com o PIX aos seus clientes. É um produto de cada banco”, afirmou o Banco Central.

Como disse o BC,  alguns bancos se anteciparam e já oferecem a modalidade, na maioria das vezes como uma operação de crédito.

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o Pix Garantido, porém, vai funcionar um pouco diferente do cartão de crédito. Nessa nova modalidade, os clientes vão precisar ter dinheiro na conta-corrente para poder fazer o pagamento das parcelas nas datas de vencimento estipuladas.

“Diferentemente do cartão de crédito, é necessário ter o dinheiro disponível em conta para usar o PIX Garantido. A expectativa é que o PIX complemente as atuais formas de pagamento, com maior comodidade ao usuário”, informou.

Entenda como vai funcionar:

O cliente que não tiver dinheiro para pagar as parcelas no vencimento vai entrar em cheque especial (caso haja). Dessa forma, a transação vai acabar sendo transformada em uma operação de crédito, com cobrança de juros. Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Arquivo

1/4 O cliente que não tiver dinheiro para pagar as parcelas no vencimento vai entrar em cheque especial (caso haja). Dessa forma, a transação vai acabar sendo transformada em uma operação de crédito, com cobrança de juros. Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Arquivo
Como a modalidade ainda está em desenvolvimento, ainda não foi definido o que vai acontecer se o cliente não tiver saldo na conta ou limite no cheque especial. Marcello Casal JrAgência Brasil

2/4 Como a modalidade ainda está em desenvolvimento, ainda não foi definido o que vai acontecer se o cliente não tiver saldo na conta ou limite no cheque especial