ConexãoIn

Apple vale U$ 1 trilhão e é a mais valiosa do mundo

Infelizmente Steve Jobs não está mais na terra para brindar a conquista da sua empresa. A Apple finalmente alcançou o valor de mercado de US$ 1 trilhão ao longo da tarde de quinta-feira, 2, quando cada ação da companhia chegou a ser comercializada por US$ 207,40, R$ 786, 33 no Brasil.  A marca foi atingida por volta das 13h, após a ação da Apple superar US$ 207,04 na Nasdaq. O feito marca um excelente momento da empresa, que está prestes a anunciar a nova linha de smartphones para 2018.

A cotação das ações da Apple oscilaram durante todo o dia, algo natural no mercado de valores, chegando por vezes a derrubar  o mercado em  US$ 1 trilhão — vale lembrar que o valor mínimo de cada papel para a empresa valer US$ 1 trilhão é de US$ 207,04. 

Como comparação, o valor da Apple supera mais da metade do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro do ano passado. Além disso, se a companhia fosse um país, seria a 17ª maior economia do mundo. O gigantismo da Apple fica evidente quando se observa o tamanho da empresa com o das empresas que têm ações na bolsa de valores do Brasil, a B3. A companhia norte-americana vale mais que a soma do valor de mercado de todas as mais de 360 empresas brasileiras listadas na B3, segundo dados da Economatica. No final de julho, as companhias brasileiras valiam, somadas, US$ 847 bilhões nesta quinta-feira, segundo dados da Economatica.

Porque as ações da Apple subiram tanto?

As ações da Apple têm subido porque os investidores reagiram bem ao resultado do último trimestre da empresa. A companhia registrou uma alta de 32% no lucro, a US$ 11,5 bilhões graças ao aumento do preço de venda do iPhone, carro chefe da empresa, que atua também no mercado de computadores, ipads e ipod. 

O volume de negócios da companhia cresceu 17%, a US$ 53,3 bilhões, em relação ao mesmo período do ano passado, devido especialmente à venda de iPhones, serviços on-line e acessórios.

A empresa vendeu 41,3 milhões de unidades, abaixo das expectativas de 41,8 milhões de aparelhos, mas o preço médio de venda do iPhone atingiu US$ 724, superando previsões de analistas de US$ 694 dólares, segundo dados da FactSet.

Esse desempenho foi atribuído ao lançamento em 2017 do iPhone 8 e do iPhone X, cujo preço inicial de venda ao público era de quase mil dólares.

“Ficamos felizes em anunciar o melhor trimestre concluído em junho da Apple e o quarto trimestre consecutivo de crescimento de dois dígitos na receita”, disse seu CEO, Tim Cook.

Os resultados positivos da Apple aparecem em um momento em que as ações das companhias de tecnologia estão em dificuldades – especialmente após os resultados decepcionantes da rede social Facebook, cujas ações caíram 20% desde que revelou dados trimestrais. 

Mas a Apple não quer ficar na mão do comércio de smaprthones, busca se diversificar para não depender tanto do iPhone, teve um aumento de 31%, a US$ 11,5 bilhões, nas receitas provenientes de serviços como iTunes Store, Apple Music, Apple Pay, entre outros.

Os mercados estavam muito atentos à possibilidade de encontrar prejuízos na Apple por causa da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China – um dos principais mercados da empresa da maçã, do qual depende muito.

Além de fornecer uma receita de US$ 9,5 bilhões no trimestre, a Apple monta na China a maioria de seus aparelhos.

Cook disse que até agora os produtos da Apple não se viram diretamente afetados, e que a companhia está avaliando as medidas tomadas por Trump.

“Nossa opinião sobre as tarifas é de que se mostram como um imposto sobre o consumidor e geram menor crescimento econômico e, em algumas ocasiões, podem gerar um risco significativo de consequências não desejadas”, disse o chefe da companhia.

POR: Rita Moraes
Publicado em 03/08/2018