ConexãoIn


Apesar de acordo com o governo, 55 universidades seguem em greve

 

Greve de professores e técnicos administrativos de universidades e institutos federais completa dois meses

 

Os professores de 62 instituições de ensino superior, 55 universidades, 5 institutos e 2 centros federais de educação, seguem em greve, apesar da proposta do governo federal e assinatura de um acordo.  É o que informou o Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior) nesta 5ª feira (6.jun.2024). A paralisação, que começou em abril, continua, apesar de o Termo de Acordo assinado pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 27 de maio para o reajuste salarial dos professores federais a partir de 2025.

 

Grevistas se reúnem com o governo federal nesta quarta-feira (14/6) para continuar negociações na educação - (crédito: Reprodução/Instagram @adunboficial)

 

A assinatura do acordo foi realizada em conjunto com o Proifes (Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico). A medida estabelece reajuste de 9% e de 3,5% em 2 parcelas. Uma em janeiro de 2025 e outra em maio de 2026. O impacto será de R$ 6,2 bilhões durante este período. No entanto, o sindicato pede aumento salarial de 7,06% ainda em 2024.

Confira as Universidades paralisadas:

Universidade Federal do Rio Grande; Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira; Universidade Federal do Ceará; Universidade Federal do Cariri; Universidade de Brasília; Universidade Federal de Juiz de Fora; Universidade Federal de Ouro Preto; Universidade Federal de Pelotas; Universidade Federal de Viçosa; Universidade Federal do Espírito Santo; Universidade Federal do Maranhão; Universidade Federal do Pará; Universidade Federal do Paraná; Universidade Federal do Sul da Bahia; Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará; Universidade Tecnológica Federal do Paraná; Universidade Federal de Rondônia; Universidade Federal de Roraima; Universidade Federal de São João del-Rei; Universidade Federal de Pernambuco; Universidade Federal de Catalão; Universidade Federal do Oeste da Bahia; Universidade Federal de Santa Maria; Universidade Federal de Tocantins; Universidade Federal do Rio Grande do Norte; Universidade Federal Fluminense; Universidade Federal de Alagoas; Universidade Federal do Agreste de Pernambuco; Universidade Federal Rural de Pernambuco; Universidade Federal de São Paulo; Universidade Federal da Bahia; Universidade Federal do ABC; Universidade Federal Rural da Amazônia; Universidade Federal de Campina Grande – Campus Cajazeiras; Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Universidade Federal do Triângulo Mineiro; Universidade Federal do Mato Grosso do Sul; Universidade Federal do Acre; Universidade Federal de Lavras; Universidade Federal de São Carlos; Universidade Federal de Goiás; Universidade Federal de Santa Catarina; Universidade Federal do Amapá; Universidade Federal do Sergipe; Universidade Federal do Recôncavo da Bahia; Universidade Federal da Integração Latino-Americana; Universidade Federal do Oeste do Pará; Universidade Federal de Mato Grosso; Universidade Federal de Uberlândia; Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; Universidade Federal de Rondonópolis; Universidade Federal do Piauí; Universidade Federal da Paraíba; Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira; e Universidade Federal dos Vales Jequitinhonha e Mucuri.

Confira os Institutos Federais em greve:

Instituto Federal do Sul de Minas Gerais; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul; Instituto Federal do Piauí; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste-MG – campus Juiz de Fora, campus Santos Dumont e campus Muriaé; e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense– campus Visconde da Graça. Centros federais de educação em greve:  Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais e Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca….

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 14/06/2024