ConexãoIn


Alerta: Barragem no RS é ameaçada por rachaduras

 

No Rio Grande do Sul , rachaduras nas estradas, casas e hotel, em São Francisco de Paula, na Serra Gaúcha, alertam para risco de deslizamento , que pode atingir cinco municípios. Duas barragens continuam em situação de emergência no Rio Grande do Sul, com risco de rompimento iminente, provocado pelo grande volume de chuvas: a Usina Hidrelétrica (UHE) Bugres Barragem Salto, no município de São Francisco de Paula, na Serra Gaúcha,  e a Santa Lúcia, em Putinga, a 200 quilômetros da capital, Porto Alegre.

As informações foram divulgadas na tarde na ultima terça-feira, 14, na atualização do boletim da Defesa Civil sobre a situação das barragens no estado. Os dados são do monitoramento feito pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) e pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O governo estadual destaca que a situação de emergência exige providências imediatas para preservar as vidas de moradores dos dois municípios.

Barragem do Salto

Na segunda-feira, 13, a Defesa Civil do estado emitiu um alerta sobre a situação da Barragem do Salto, localizada no município de São Francisco de Paula.

Segundo o órgão, a barragem passou a operar em status de emergência por risco de deslizamento de encosta e transbordamento, o que pode provocar uma onda às margens do rio Caí e reservatório.

Os municípios atingidos seriam: Caxias do Sul, Canela, Gramado, Nova Petrópolis, Vale Real e Feliz. A região de São Francisco de Paula foi alertada pela Defesa Civil, para que os moradores que vivem no entorno da Barragem do Salto deixem o local imediatamente.

“Não é uma região com muitas casas, mas percebemos que havia paredes rachadas, água vertendo do chão da casa, algumas casas deslocaram um pouco, rachaduras grandes, profundas”, disse o prefeito de São Francisco de Paula, Marcos Aguzzolli.

Segundo a prefeitura, as principais rachaduras para a água não entrar estão protegidas. A estrada que apresentou falhas é pouco usada, sendo mais utilizada apenas por funcionários da CEEE Geração. A via segue em avaliação.

“Por segurança, se trabalha com o pior cenário possível. Se todo o morro que fizemos o levantamento descer, que fizemos o mapeamento, essa onda (gerada pela força da terra atingindo a água) chegaria na altura das casas e depois voltaria podendo passar por cima da barragem. Por isso acionamos todos os municípios e as pessoas. A barragem acionou suas sirenes e nós, como prefeitura, tranquilizamos as pessoas e fizemos o acolhimento para que todos saíssem do local com calma”, disse Aguzzolli.

De acordo com a CEEE Geração, concessionária que opera a barragem de Salto, o dique está normalizado. A barragem foi colocada em situação de emergência por prevenção e segue sendo assistida pela empresa.

Barragem Salto em São Francisco de Paula

Monitoramento feito pela Aneel indica que a UHE Bugres Barragem Salto, em São Francisco de Paula, apresenta risco de deslizamento de encosta. A prefeitura municipal emitiu alerta no fim da tarde de ontem (13), publicado em rede social, para que moradores do entorno da hidrelétrica evacuem imediatamente a região. De acordo com o comunicado, em caso de desmoronamento, há risco da formação de ondas que podem atingir as construções da cidade. A postagem traz um mapa com a área crítica de alagamento.

“Para garantir a segurança de todos, sugerimos que se dirijam ao Centro do Idoso, localizado na Rua Antônio Francisco Lisboa, esquina com a Rua Carlos Barbosa, atrás do Ginásio Municipal de Esportes, onde encontrarão abrigo e assistência”, diz a mensagem da prefeitura.

Em situações de emergência, os cidadãos podem ligar para a Defesa Civil municipal ou mandar mensagem de áudio ou texto por WhatsApp no número (54) 9 9686-4645. Por preocupação, a Defesa civil tem ido de casa em casa informando sobre o risco.

Barragem Santa Lucia, em Putinga

A barragem Santa Lúcia, em Putinga, é monitorada pela Sema. No Instagram, a prefeitura municipal informa que, nesta segunda-feira, foi feita uma visita à Barragem de Santa Lúcia para verificar as condições locais e adoção de medidas imediatas para salvar vidas.

Segundo o prefeito Paulo Lima, a pressão da barragem está sendo regulada em vários pontos, com apoio e experiência de pessoas que construíram a instalação. O prefeito detalha que ações estão dando vazão ao volume de água represada e que o resultado foi uma redução de 3 metros no nível da barragem, em 48 horas. “Com o volume pluviométrico que temos na barragem, se ela tivesse se rompido a 180 metros acima do nível da cidade, teríamos uma das maiores tragédias no Rio Grande do Sul, porque, com esse rompimento, 90% do perímetro urbano seriam inundados. Tentamos fazer o que é necessário e podemos ter evitado uma grande catástrofe”, conclui o prefeito.

Em setembro de 1953, houve um rompimento de barragem no município, conforme relato no site da prefeitura de Putinga. Na ocasião, a barragem que se rompeu servia de reservatório para uma usina hidrelétrica e colocou em risco toda a população, uma vez que a água da represa desaguou no Arroio Putinga, que atravessa o centro da cidade. Após a ruptura, a barragem foi reconstruída com capacidade de armazenamento menor.

Risco em outras barragens

Seis barragens estão em nível de alerta, o que ocorre quando há indicação de anormalidades que representam risco à segurança da estrutura e exigem providências. São as usinas hidrelétricas 14 de Julho, nos municípios de Cotiporã e Bento Gonçalves; Dona Francisca, em Nova Palma; Pequena Central Hidrelétrica Salto Forqueta, em São José do Herval/Putinga; e as barragens Capané, em Cachoeira do Sul, São Miguel, em Bento Gonçalves, e Saturnino de Brito, em São Martinho da Serra.

O último boletim da Defesa Civil indica que estão em nível de atenção no estado, que é quando as irregularidades não comprometem a segurança da barragem no curto prazo, mas exigem monitoramento, controle ou reparo para não agravar a situação: as usinas hidrelétricas Bugres – Barragem Divisa, Bugres – Barragem do Blang e Canastra, todas eem Canela; PCH Furnas do Segredo, em Jaguari; e as barragens Assentamento PE Jânio Guedes da Silveira, B2, em São Jerônimo; do Saibro, em Viamão; A – Assentamento PE Tupy, em Taquari; Filhos de Sepé, em Viamão; Assentamento PE Belo Monte, em Eldorado do Sul; Lomba do Sabão, em Porto Alegre.

De acordo com o governo do estado, o Rio Grande do Sul tem cerca de 10,7 mil barragens.

Ultimos números do desastre ambiental no Rio Grande do Sul

De acordo com o último boletim divulgado pela Defesa Civil, o Rio Grande do Sul registra 149 mortes, 108 desaparecidos e 806 pessoas feridas. O órgão contabiliza 538.126 pessoas desalojadas e 76.580 nos abrigos. No total, 452 dos 496 municípios do estado enfrentaram algum tipo de problema, afetando 2.144.124 pessoas.

A previsão indica uma queda na temperatura devido a uma frente fria avançando de Santa Catarina para o Rio Grande do Sul. Rajadas de vento são esperadas, o que pode dificultar o escoamento da água.

Imagens de satélite mostram antes e depois de enchente no RS Fidel Forato

 Cidades seguem alagadas e escoamento para o mar será lento e gradual

 

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 16/05/2024