ConexãoIn

Quanto mais você anda, menos risco de morte corre, revela estudo

O número de passos que você deve dar todos os dias para começar a ver benefícios para a sua saúde é menor do que se pensava, de acordo com a maior análise de investigação cientifica.

O estudo, publicado hoje no European Journal of Preventive Cardiology, descobriu que caminhar pelo menos 3.967 passos por dia reduziu o risco de morrer por qualquer causa, e 2.337 passos por dia reduziu o risco de morrer de doenças do coração e dos vasos sanguíneos (doença cardiovascular).

 

No entanto, a nova análise de 226.889 pessoas de 17 estudos diferentes em todo o mundo mostrou que quanto mais você caminha, maiores são os benefícios para a saúde. O risco de morrer por qualquer causa ou doença cardiovascular diminui significativamente a cada 500 a 1.000 passos extras que você dá. Um aumento de 1.000 passos por dia foi associado a uma redução de 15% no risco de morte por qualquer causa, e um aumento de 500 passos por dia foi associado a uma redução de 7% nas mortes por doenças cardiovasculares.

 

Os pesquisadores, liderados por Maciej Banach, professor de Cardiologia da Universidade Médica de Lodz, Polônia, e professor adjunto do Centro Ciccarone para a Prevenção de Doenças Cardiovasculares, Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, descobriram que mesmo que as pessoas caminhassem até 20.000 passos por dia, os benefícios para a saúde continuaram a aumentar. Eles ainda não encontraram um limite superior.

 

“Nosso estudo confirma que quanto mais você anda, melhor”, diz o professor Banach. “Descobrimos que isso se aplica a homens e mulheres, independentemente da idade e independentemente de você viver em uma região temperada, subtropical ou subpolar do mundo, ou em uma região com uma mistura de climas. Além disso, nossa análise indica que apenas 4.000 passos por dia são necessários para reduzir significativamente as mortes por qualquer causa e menos ainda para reduzir as mortes por doenças cardiovasculares”.

 

Há fortes evidências de que um estilo de vida sedentário pode contribuir para o aumento de doenças cardiovasculares e uma vida mais curta. Estudos demonstraram que a atividade física insuficiente afeta mais de um quarto da população mundial. Mais mulheres do que homens (32% versus 23%) e pessoas em países de rendimento mais elevado em comparação com países de baixo rendimento (37% versus 16%) não realizam uma quantidade suficiente de atividade física.

 

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a atividade física insuficiente é a quarta causa de morte mais frequente no mundo, com 3,2 milhões de mortes por ano relacionadas à inatividade física. A pandemia de Covid-19 também resultou em uma redução na atividade física, e os níveis de atividade não se recuperaram dois anos depois.

 

O dr. Ibadete Bytyçi, do University Clinical Center of Kosovo, Pristina, Kosovo, autor sênior do artigo, afirma: “Até agora, não está claro qual é o número ideal de etapas, tanto em termos de pontos de corte sobre onde podemos começar a ver os benefícios para a saúde, e o limite superior, se houver, e o papel que isso desempenha na saúde das pessoas. No entanto, devo enfatizar que havia dados limitados disponíveis sobre contagens de passos de até 20.000 por dia e, portanto, esses resultados precisam ser confirmados em grupos maiores de pessoas”.

 

Esta meta-análise é a primeira não apenas a avaliar o efeito de caminhar até 20.000 passos por dia, mas também a verificar se existem diferenças dependendo da idade, sexo ou onde as pessoas vivem no mundo.

 

Os estudos analisados ​​pelos pesquisadores acompanharam os participantes por uma mediana (média) de sete anos. A idade média era de 64 anos e 49% dos participantes eram do sexo feminino.

 

Nas pessoas com 60 anos ou mais, a dimensão da redução no risco de morte foi menor do que a observada nas pessoas com menos de 60 anos. Nos idosos, houve uma redução de 42% no risco observado naqueles que caminharam entre 6.000 e 10.000 passos por dia, enquanto houve uma redução de 49% no risco em adultos mais jovens que caminharam entre 7.000 e 13.000 passos por dia.

 

O professor Banach ressalta que, em um mundo onde há medicamentos cada vez mais avançados para tratar condições específicas, como doenças cardiovasculares, deve-se sempre enfatizar que as mudanças no estilo de vida, incluindo dieta e exercícios, que foram os principais heróis da análise, pode ser pelo menos tão ou até mais eficaz na redução do risco cardiovascular e no prolongamento da vida.
Os pontos fortes da metanálise incluem seu tamanho e o fato de não se restringir a estudos limitados a um máximo de 16.000 passos por dia. As limitações incluem o fato de ter sido um estudo observacional e, portanto, não conseguir provar que o aumento da contagem de passos causa a redução do risco de morte, apenas que está associado a ele. O impacto da contagem de passos não foi testado em pessoas com diferentes doenças; todos os participantes eram saudáveis ​​quando entraram nos estudos analisados.

 

Fonte: Maciej Banach et al, The Association Between Daily Step Count and All-Cause and Cardiovascular Mortality: A Meta-Analysis, European Journal of Preventive Cardiology (2023). DOI: 10.1093/eurjpc/zwad229

Sobre a Faculdade Presbiteriana Mackenzie

A Faculdade Presbiteriana Mackenzie é uma instituição de ensino confessional presbiteriana, filantrópica e de perfil comunitário, que se dedica às ciências divinas, humanas e de saúde. A instituição é comprometida com a formação de profissionais competentes e com a produção, disseminação e aplicação do conhecimento, inserida na sociedade para atender suas necessidades e anseios, e de acordo com princípios cristãos.

O Instituto Presbiteriano Mackenzie (IPM) é a entidade mantenedora e responsável pela gestão administrativa da Universidade Presbiteriana Mackenzie nos campi São Paulo, Alphaville e Campinas, das Faculdades Presbiterianas Mackenzie em três cidades do País: Brasília (DF), Curitiba (PR) e Rio de Janeiro (RJ), bem como das unidades dos Colégios Presbiterianos Mackenzie de educação básica em São Paulo, Tamboré (em Barueri – SP), Brasília (DF) e Palmas (TO). Além do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie Paraná (Curitiba), que presta mais de 90% de seu atendimento a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e integra o campo de estágios da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR).

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 20/09/2023