ConexãoIn

” O poder de um jovem”, em cartaz no Belas Artes À La Carte

A programação da próxima semana do Petra Belas Artes À La Carte têm filmes de diversas décadas e para gostos variados! Entre os cinco filmes que chegam na quinta-feira, 5 de agosto, estão duas comédias:

“A Coletora de impostos” (1987), de Juzo Itami, (que também dirigiu “Tampopo: os brutos também comem spaghetti”) uma sátira ao mundo da ganância, corrupção, suborno e burocracia no Japão; e, da Argentina, chega ao cardápio “Samy e eu” (2002). Dirigido por Eduardo Milewicz e com Ricardo Darín no elenco, o longa narra as crises existenciais de um homem prestes a completar 40 anos e a chegada de uma nova namorada que vai mudar tudo. Para os fãs de Morgan Freeman ele está no drama “O Poder de um jovem” (1992), longa sobre um jovem sulafricano de origem inglesa, que aborda o preconceito e a luta em um país em ebulição.

Os fãs de musicais não podem perder “Os sapatinhos vermelhos”, (1948) de Michael Powell e Emeric Pressburger, ou a dupla de ouro do cinema britânico nos anos 1940 e 1950, conhecidos pela realização de diversos filmes, como “Coronel Blimp – Vida e Morte, “Narciso Negro” Neste Mundo e no Outro”, disponível no À La Carte. “Os Sapatinhos Vermelhos foi indicado em cinco categorias no Oscar e levou as estatuetas de melhor trilha sonora e melhor direção de arte.

Fechamos a programação com o longa nacional “Soledade, a bagaceira” (1976), de Paulo Thiago, grande realizador que faleceu este ano e que recebe uma homenagem no streaming. Parte de sua obra, como os filmes “Policarpo Quaresma” e “Sagarana, o duelo”,  já estão disponíveis no catálogo. “Soledade, a bagaceira”, se passa na Paraíba nos anos 1930 e foi vencedor do prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 1976. A partir do dia 5 de agosto, o À La Carte também traz o festival “O Novíssimo Cinema da Paraíba”, gratuito para assinantes e não assinantes.

Confira abaixo como sinopses dos filmes:

O poder de um jovem (The Power of One)

Austrália | França | EUA, 1992, Drama, 127 min, 14 anos

Direção: John G. Avildsen

Elenco: Stephen Dorff, Armin Mueller-Stahl, Morgan Freeman

Sinopse: África do Sul, primeira metade do século 20. P.K. é um menino inglês que cresceu em uma fazenda do interior, sendo criado por sua mãe viúva e por uma babá zulu. Quando sua mãe fica doente, o garoto é enviado para um colégio interno, onde passa a ser perseguido pelos colegas. P.K. consegue sobreviver a esses anos de bullying e vai viver com seu avô. Ele conhece Doc, um prisioneiro alemão que o ensina a tocar piano e Geel Piet, um gentil prisioneiro que o apresenta à arte do boxe. Aos 18 anos de idade P.K. se cansa de tanta injustiça e se torna um ativista anti-apartheid. Sua luta contra o regime de segregação racial na África do Sul fica confusa quando ele se apaixona por Maria, a filha de um líder racista.

Curiosidades: O filme foi dirigido por John G. Avildsen, vencedor do Oscar por “Rocky – Um Lutador” e também conhecido pela franquia “Karate Kid”; “O poder de um jovem” é baseado na obra do australiano Bryce Courtland: o bestseller “The Power of One”, que vendeu mais de 8 milhões de cópias e foi traduzido para 18 línguas; Daniel Craig fez neste filme sua estreia no cinema; Este foi o primeiro papel de  Morgan Freeman interpretando um sulafricano. Em 2009 ele foi  Nelson Mandela em “Invictus”, de Clint Eastwood.

 

Samy e eu (Samy y yo)

Argentina, 2002, Comédia, 85 min, 14 anos

Direção: Eduardo Milewicz

Elenco: Ricardo Darín, Angie Cepeda, Cristina Banegas

Sinopse: Samy está prestes a completar 40 anos. Entre seus desgostos estão sua namorada Laura, seu astigmatismo, sua mãe e sua irmã. Ele escreve o programa de TV de um comediante, mas ainda sonha em ser um escritor sério e respeitado. Todo ano tenta escrever um romance, mas todo ano falha. Ao avaliar sua crise existencial, Samy decide largar o emprego, a namorada e os laços que o prendem à família. No meio dessa confusão, Mary aparece. Ela é uma entusiasmada colombiana, que parece ser a única a enxergar o potencial dele. Mary então produz um reality show sobre a vida de Samy, que logo se transforma em um sucesso absoluto.

Curiosidades: No filme, o personagem de Ricardo Darín tem uma irmã, que é interpretada por Alejandra Darín, irmã do ator na vida real. Segundo longa do diretor Eduardo Milewicz (“A Vida de Muriel”). Filme inédito nos cinemas brasileiros.

 

Os sapatinhos vermelhos (The Red Shoes)

Reino Unido, 1948, Musical, 135 min, 12 anos

Direção: Michael Powell, Emeric Pressburger

Elenco: Anton Walbrook, Marius Goring, Moira Shearer

Sinopse: Uma jovem bailarina está dividida entre o homem que ama e sua busca por se tornar uma bailarina de primeira.

CuriosidadesOs Sapatinhos Vermelhos foi indicado em cinco categorias no Oscar e vencedor das estatuetas de melhor trilha sonora e melhor direção de arte.

 

A coletora de impostos (A Taxing Woman)

Japão, 1987, Comédia, 127 min, Livre

Direção: Juzo Itami

Elenco: Nobuko Miyamoto, Tsutomu Yamazaki, Masahiko Tsugawa

Sinopse: Se a evasão fiscal é uma arte, o negociante de rodas Hideki Gondo é Rembrandt. E assim, uma mulher determinada e exigente recebe a difícil tarefa de tentar pegá-lo.

Curiosidades: Um filme de Juzo Itami, o mesmo diretor de “Tampopo: Os Brutos Também Comem Spaghetti” (1985). O japonês Juzo Itami foi produtor de vários filmes de sucesso em seu país, e só aos 50 anos se tornou diretor. Nobuko Miyamoto, a atriz protagonista, era casada com o diretor, de quem ficou viúva, e foi estrela da maioria de seus filmes.

 

Soledade, a bagaceira

Brasil, 1976, Drama, 88 min, 14 anos

Direção: Paulo Thiago

Elenco: Rejane Medeiros, Nelson Xavier, Emmanuel Cavalcanti, Roberto Bonfim

Sinopse: Paraíba, anos 1930. O filho quer industrializar o engenho, já o pai resiste ao progresso. O jovem então é enviado para estudar na capital mas, com a morte do governador João Pessoa, ele volta para sua cidade natal. A conturbada relação entre os dois se complica ainda mais quando ambos se apaixonam pela provocante Soledade.

Curiosidades: Vencedor do prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro 1976.

 

Serviço:

Planos de assinatura com acesso a todos os filmes do catálogo em 2 dispositivos simultaneamente.

Valor assinatura mensal: R$ 9,90 | Valor assinatura anual: R$ 108,90

Super Lançamentos: Com valores variados, a sessão ‘super lançamentos’ traz os filmes disponíveis no cardápio para aluguel por 72hs.

Para se cadastrar acesse: www.belasartesalacarte.com.br e clique em ASSINE.

Ou vá direto para a página de cadastro:

https://www.belasartesalacarte.com.br/checkout/subscribe/signup

Aplicativos disponíveis para Android, Android TV, IPhone, Apple TV e Roku. Baixe Belas Artes À LA CARTE na Google Play ou App Store.

Sobre o À LA CARTE 

À LA CARTE é um streaming de filmes pensado para quem ama cinema de verdade. Seu catálogo, que já conta com cerca de 400 títulos,e inclui filmes de todos os cantos do mundo e de todas as épocas: contemporâneos, clássicos, cults, obras de grandes diretores, super premiados e principalmente aqueles que merecem ser revistos e que tocam o coração dos cinéfilos. Além de pelo menos quatro novos filmes que entram semanalmente no catálogo, há também a possibilidade do aluguel unitário, que são os Super Lançamentos: um espaço para filmes que estreiam antes dos cinemas; simultâneos ao cinema; filmes inéditos no Brasil, entre outras modalidades. Outro diferencial são as mostras de cinema, recentemente o À LA CARTE trouxe especiais dedicados à cinematografia francesa, italiana, coreana e espanhola. O À LA CARTE foi criado no final de 2019 e integra o Belas Artes Grupo, que inclui também a Pandora Filmes e o Cine Petra Belas Artes, um dos mais tradicionais e queridos cinemas de rua de São Paulo.

#conexaoin

#conectadocomanoticia

POR: Rita Moraes
Publicado em 06/08/2021