ConexãoIn

Novo copo para festivais é produzido com 5 garrafas PET recicladas

Nos últimos anos, foi possível acompanhar uma excelente mudança na realização de grandes festivais e eventos, que pararam de utilizar copos descartáveis e passaram a oferecer copos reutilizáveis para o público. Tendo em vista que esses eventos podem gerar um grande impacto ambiental devido ao alto consumo de recursos naturais, geração de resíduos e emissões de carbono, esse foi, sem dúvidas, um passo importante. Porém, apesar de praticamente eliminar os resíduos gerados pelos descartáveis, os copos reutilizáveis continuam sendo fabricados com plástico virgem, ou seja, exigem a exploração de mais e mais petróleo. Pensando nessa questão, a startup Green Mining acaba de lançar o primeiro copo produzido com garrafas PET recicladas, em parceria com as empresas Luka Plásticos e Indorama Ventures.

 

De acordo com Rodrigo Oliveira, presidente da Green Mining, cada copo produzido garante o equivalente a coleta e reciclagem de 5 garrafas PET de dois litros já que são feitos com a resina chamada PET-PCR (reciclada pós-consumo). Ou seja, os novos copos reutilizáveis não apenas eliminam os resíduos descartáveis dos eventos, como reduzem em quase 8 vezes a pegada de carbono em comparação aos copos reutilizáveis feitos de plástico virgem. Isso só é possível porque a produção dos utensílios é feita 100% com energia solar, instalada nos telhados da unidade da Luka Plásticos, localizada em Valinhos, no interior de SP. “O desenvolvimento de práticas sustentáveis deve ter uma visão 360 graus sobre seus impactos para contribuir com a preservação do planeta. Estamos oferecendo uma melhor alternativa aos eventos que realmente buscam soluções mais sustentáveis, afinal, não adianta reduzir a geração resíduos de um lado e aumentar em 400% o uso de petróleo para produzir copos”, afirma o executivo.

 

Foto do lançamento do copo da Green Mining no espaço da Corona no Primavera Sound

O presidente da Green Mining explica que os copos reutilizáveis, que são fornecidos atualmente nos festivais usam cerca de 10 a 15 vezes mais plásticos virgem que um copo descartável. Porém, em média, os convidados consomem de quatro a cindo bebidas no evento, e depois guardam o utensílio como uma recordação do evento. “Para fazer valer a pena a produção com plástico virgem, os copos reutilizáveis precisam ter mais uso após os eventos, e não apenas se acumularem na prateleira dos frequentadores de festivais, ou mesmo serem jogados fora”, conta Rodrigo Oliveira.

 

O projeto para o desenvolvimento do copo durou 8 meses e teve, junto com a Luka Plásticos, sua patente registrada, a quinta lançada pela startup, que se tornou pioneira em projetos que unem tecnologia e sustentabilidade. Já o produto teve o seu lançamento durante o festival Primavera Sound, realizado em 2 e 3 de dezembro em São Paulo, em parceria com a cervejaria Corona. “Para a produção dos copos para a cervejaria Corona, a coleta da resina PET foi realizada no litoral do Rio de Janeiro no início do mês de novembro por meio do projeto Protect Paradise em parceria com a iniciativa Bota Pra Girar. Mesmo sendo produzidos com resina com “food grade” (grau alimentício), os copos foram submetidos a testes laboratoriais que confirmaram a segurança dos mesmos em contato com alimentos”, conta Rodrigo Oliveira.

 

A Green Mining celebra este lançamento como o primeiro copo social, pois carrega em sua história a remuneração digna a catadoras e catadores de material reciclado que fazem parte dos projetos de logística reversa da startup.

Sobre a Green Mining
A Green Mining é uma startup pioneira em logística reversa inteligente e uma das selecionadas, em todo o mundo, pela cervejaria Ambev por meio do programa 100+ Accelerator. Desde 2018, já coletou e encaminhou para reciclagem mais de 7 milhões de quilos de embalagens pós-consumo e evitou a emissão de 1,1 milhão de quilos de CO₂. Integrante do grupo de empresas do Pacto Global da ONU, maior iniciativa de sustentabilidade corporativa do mundo, participou da COP26 e do World Economic Forum 2023, em Davos, apresentando seus projetos e soluções de rastreabilidade com tecnologia blockchain.

Premiações: Vencedora do ‘Better World Award’, realizado na Bélgica; da competição mundial de Ideias de Negócios Verdes da Climate Ventures e da 1ª edição brasileira do evento europeu Greentech Challenge. Por três anos consecutivos, a startup foi premiada no Ranking 100 Open Startups, entrando para o TOP 10 na categoria CleanTechs em 2021 e CityTechs em 2022 e 2023. Além de ser ganhadora do prêmio inglês Latam Edge Awards em 2022 e o Green and Digital Startup Award da Câmara Brasil-Alemanha na categoria Economia Circular.

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 14/12/2023