ConexãoIn


Introdução Alimentar, um marco no desenvolvimento do bebê

A introdução alimentar é uma das principais fases de desenvolvimento do bebê. É nessa etapa que ele começa a desenvolver o paladar e inicia seus próprios hábitos alimentares, sendo fundamental para que, no futuro, o pequeno desenvolva uma alimentação mais equilibrada e saudável. Por onde começar talvez seja a primeira pergunta que vem à cabeça dos pais. A resposta é que não existe uma só regra, mas sugestões de caminhos mais fáceis e apropriados, como explica a médica pediatra, Ludmila Carneiro, sócia da clínica CSI.

“O bebê ainda não sabe que aquilo que é oferecido é de comer e mata a fome, portanto não é algo imediato. O leite mata sua fome, e é isso que ele sabe. Então é algo importante deixar as expectativas de lado, respirar fundo e entender que o bebê terá o contato com os primeiros alimentos, e pode não ser da forma que os pais esperam”, explica.

Quando dar início à introdução alimentar?

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, a introdução de alimentos na dieta do bebê deve acontecer somente a partir dos seis meses, pois o leite materno, ou a fórmula infantil, fornecem todos os nutrientes que o bebê precisa até esta idade.  Até o primeiro ano de vida, o aleitamento materno continuará sendo a principal fonte de energia e de nutrientes, e isso traz a tranquilidade necessária para curtir as primeiras experiências do bebê à mesa sem tanta neura.

A partir dos seis meses o bebê tem maior necessidade de nutrientes, como ferro e zinco, e já tem o reflexo de engolir mais desenvolvido e o estômago pronto para receber diferentes alimentos. “A razão pela qual se inicia a introdução alimentar nesta idade está relacionada ao desenvolvimento do bebê, que apresenta o que chamamos de “sinais de prontidão”, que são marcos do seu desenvolvimento que mostram que estão prontos para iniciar a alimentação sólida, como sustentar o pescoço e o tronco, sentar-se sem apoio ou com o apoio em apenas uma região, não ter mais o reflexo de protusão de língua e já mostrar interesse em pegar objetos, pegar as coisas e colocar na boca”, diz Ludmila Carneiro.

Alguns cuidados que podem ajudar neste momento como:

  • Olhar e conversar com o bebê durante as refeições;
  • Oferecer os alimentos de forma separada no prato;
  • Não deixar o bebê sozinho durante a alimentação;
  • Estar atento aos sinais de fome, como quando o bebê chora e segura a mão da pessoa que está oferecendo a comida e abre a boca;
  • Saber reconhecer quando o bebê está saciado, como virar o rosto ou não abrir mais a boca para receber os alimentos.

Algo muito importante a ser destacado é que o momento da refeição não deve ser apenas mastigar e engolir alimentos, mas também um momento de prazer. Por isso, criar um ambiente e um clima agradável durante esse período, faz com que o bebê se sinta confortável e aproveite este tempo da melhor forma. “Aprender a comer é igual a aprender a mamar e andar. É um marco importante na vida da criança, que precisa de muito carinho e paciência para que ela se adapte bem”, completa a pediatra.

Caso tenha dúvidas ou dificuldades, procure ajuda profissional. Junto com um médico pediatra, os pais podem decidir qual o melhor método para a introdução, fazendo a diferença nesta fase tão especial.

POR: Rita Moraes
Publicado em 22/06/2022