ConexãoIn


Festival Rec-Beat retorna ao carnaval do Recife e se reinventa em edição histórica

Um dos festivais mais tradicionais e inovadores do país, o Rec-Beat marcou o seu retorno ao carnaval do Recife em uma edição repleta de surpresas. Durante os quatro dias de folia, o evento atraiu uma multidão ao Cais da Alfândega, no Bairro do Recife, apresentando novos talentos e nomes consolidados da música brasileira e internacional, propondo experiências imersivas e celebrando encontros.

Conhecido por mapear novas tendências ao redor do país e do mundo para levá-las ao coração da folia carnavalesca, a 27º edição do Rec-Beat trouxe um line-up singular e diverso, com 24 atrações, entre nomes locais, nacionais e internacionais. A curadoria buscou enfatizar o papel formativo do festival, conhecido por apresentar artistas e shows inéditos ao público, sem perder de vista a tradição.

Três anos após sua última edição presencial, o festival proporcionou um encontro rico entre gêneros musicais e sons diversos, passando pelo brega funk recifense, funk carioca, rap, psicodelia, ritmos africanos e carimbó, entre outras manifestações que coloriram o Cais da Alfândega em uma verdadeira celebração da potência universal da música.

“Nesta edição de retomada, procuramos manter a tradição do Rec-Beat de fugir do óbvio, do lugar-comum. Apostamos numa programação não tão conhecida do público, mas artisticamente potente. Nosso objetivo foi surpreender as pessoas com bandas e artistas com propostas sonoras e performáticas distintas, que só poderiam ser encontradas em nosso palco. E conseguimos isso”, avalia o diretor e curador do Rec-Beat, Antonio Gutierrez, o Gutie.

Abrindo o primeiro dia, o line-up reuniu a DJ Anti Ribeiro, e o seu projeto roupaspreta (PE/SE), a arte da musicista caruaruense Vitória do Pife (PE), a dupla Purahéi Soul (Paraguai), cantando canções folclóricas latino-americanas em guarani e espanhol, a potência vocal de Bela Maria (PE), uma das vozes mais promissoras de Pernambuco, a psicodelia da Joe Silhueta (DF), e a apoteose do espetáculo histórico do Conde Só Brega (PE), lenda viva da música pernambucana que instigou o público do início ao fim.

A segunda noite do Rec-Beat foi marcada por um encontro explosivo entre artistas diversos, desde a abertura, com as pesquisas sonoras da DJ Makeda (PE), passando pela celebração da tradição africana com o Afoxé Omô Nilê Ogunjá (PE), a beleza vocal da pernambucana Joyce Alane, até o encerramento catártico com o multiartista Getúlio Abelha (CE), que realizou uma das performances mais memoráveis do festival.

A programação desta segunda noite ainda contou com a presença da dupla MU540 (SP) e Deize Tigrona (RJ), pioneira do funk carioca que apresentou seus clássicos e novas composições para a mulidão que ocupava o Cais da Alfândega. Outro destaque vai para a malinês-canadense Djely Tapa (Mali), trazendo seu show pela primeira vez ao Recife. Ao lado de sua banda, ela trafegou entre a tradição griot, o blues e a cadência dos tambores.

DIVERSIDADE

Na terceira noite, o festival apostou no encadeamento entre gêneros musicais diversos, começando pelo projeto Baratino Loko (PE), uma celebração do brega funk e da cultura musical das periferias do Recife. Comandado pelos produtores Tom BC e Marley no Beat, o Baratino Loko foi um verdadeiro laboratório de experimentações de um dos ritmos mais populares de Pernambuco, o brega funk. A dupla convidou três novos artistas de destaque da cena: a cantora Laryssa Real, a não-binárie do brega Mun Há e o MC CH da Z.O – cada com diferentes propostas de trabalhos com o brega funk, que se interseccionam entre si pela força dançante dos arranjos do gênero.

Em seguida, foi a vez de Slipmami (RJ), um dos novos talentos mais instigantes da cena carioca, subir ao palco pela primeira vez no Recife. A artista foi ovacionada pelo público e incendiou a noite com sua mescla autêntica de rap, death rock e punk. Após o show da rapper, o multi-instrumentista Simon Winsé (Burkina Faso) realizou uma das performances mais imersivas do festival. O artista africano conduziu o público em uma viagem pelos sons dos seus instrumentos, tocando kora, n’goni, arco de boca e flauta Fulani.

Reforçando sua atitude pioneira em explorar a diversidade de sons produzidos no território brasileiro, o Rec-Beat também abriu espaço para as Suraras do Tapajós (PA), o primeiro conjunto de carimbó no Brasil composto somente por mulheres indígenas. Por último, foi a vez da Mestre Ambrósio (PE) realizar seu retorno ao palco do festival. O show foi uma celebração aos 30 anos do movimento manguebeat e da própria banda, que se reagrupou para uma turnê comemorativa. Desde os início dos anos 2000 sem se apresentar no carnaval recifense, o grupo realizou uma performance catártica, percorrendo toda sua discografia. Quem comandou a discotecagem nos intervalos foi o DJ Calani (RJ), refletindo a multiplicidade musical brasileira que se apresentava no palco.

EXPERIÊNCIAS

Na quarta e última noite de Rec-Beat, a programação iniciou celebrando o hip hop brasileiro num encontro potente entre jovens artistas e uma lenda viva do hip hop nacional. A programação abriu com uma edição histórica da Batalha da Escadaria (PE), tradicional encontro de MCs, que existe desde 2008 no Recife e visa fortalecer a cultura do hip hop local. Os quatro MCs convidados pelo projeto agitaram o público com rimas improvisadas e interações constantes, incluindo nas decisões de quem sairia vencedor dos duelos.

Após a batalha, foi a vez do MC Marechal (RJ) , um dos nomes mais icônicos do rap nacional, apresentar suas rimas conscientes e flow único que influenciou gerações de rappers no Brasil.

Ainda representando a abundância de ritmos do continente africano, o multi-instrumentista Kizaba (Congo) trouxe o seu pop rock afro-congolês para o palco do evento. Seus trabalhos criaram vocalizações inspiradas nos seus antepassados e misturaram sons de soukous congolês, afrobeat, house music e R&B. Nos intervalos quem comandou a discotecagem foi a DJ MX (PE), com sets que acompanharam a miscelânea sonora das atrações.

Outro grande momento desta última noite foi a apresentação do duo britânico O. (Reino Unido). A banda se juntou aos músicos pernambucanos Lucas dos Prazeres, Deco do Trombone, Parrô Melo, Henrique Albino e Yuri Queiroga, sob a direção do DJ Dolores, para apresentar o resultado de uma imersão que eles participaram ao longo da semana. A performance foi um ballet instrumental que expandiu o vocabulário sonoro dos envolvidos em múltiplos caminhos – um verdadeiro intercâmbio entre referências musicais britânicas e pernambucanas, que encontrou seu ápice em uma interpretação mágica do clássico frevo Cabelo de Fogo, de autoria do Maestro Nunes. Este encontro é resultado de uma parceria do Rec-Beat com o programa Cultura Circular, realizado pelo British Council com apoio do Oi Futuro.

Fechando a edição, o Bala Desejo (RJ) veio ao Recife pela primeira vez apresentar o disco Sim Sim Sim (2022), vencedor do Grammy Latino na categoria de “Melhor Álbum Pop em Português”. O quarteto carioca embalou o público, que não se acanhou com a chuva e dançou ao som de uma mistura autoral entre bossa-nova, pop rock e as referências tropicalistas que alçaram o Bala Desejo como um dos grupos mais instigantes da nova cena musical brasileira. Uma explosão de cores e sentidos que resumiu uma edição histórica de um dos festivais mais importantes e inovadores do país.

INCLUSIVO

Mais que uma fusão de expressões artísticas heterogêneas, o Rec-Beat é uma experiência única dentro da folia recifense. O acesso gratuito ao evento proporciona um espaço democrático, inclusivo e libertário para os foliões conhecerem novos artistas e experimentarem ritmos provenientes de várias partes do mundo.

O festival contou ainda com área reservada para pessoas com deficiência física e mobilidade reduzida, e intérprete de libras no palco durante os shows.

O FESTIVAL

Com 28 anos de existência, o Rec-Beat está entre os mais importantes e tradicionais festivais de música do país. Sediado no Recife, onde já promoveu, ao longo de sua trajetória, mais de 600 shows para 3 milhões de pessoas, o evento vem abrindo braços, se expandindo e levando sua experiência sonora para outras cidades, tendo já passado por Fortaleza e Sobral (CE), João Pessoa (PB), Caruaru (PE), Salvador (BA), Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Nesta edição, o Rec-Beat contou com patrocínio da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Secretaria de Cultura e Prefeitura do Recife. Incentivo do Funcultura – Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura e Governo de Pernambuco, apoio do Consulado Geral da França para o Nordeste em Recife e Cultura PE. Mídia parceira Embrazado e O Grito!. Festival filiado à Abrafin e Adimi. Realização da Rec-Beat Produções, Leão Produções  e Funarte, Ministério da Cultura e Governo Federal – Prêmio Funarte Festivais de Música 2022.

POR: Rita Moraes
Publicado em 22/02/2023