ConexãoIn

Exporta Mais Brasil: em quatro rodadas, programa da ApexBrasil movimentou mais de R$ 100 milhões em negócios

 

 

Com o Exporta Mais Brasil, o objetivo da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) é de ampliar as vendas de produtos brasileiros para o exterior por meio de uma aproximação ativa com todas as regiões do país, trazendo compradores internacionais para ver de perto o potencial de setores específicos da economia e fazer negócios diretos com as empresas e produtores. A missão vem sendo cumprida com sucesso: as quatro primeiras rodadas do programa, dedicadas aos setores de móveis, rochas ornamentais, cafés Robustas Amazônicos e pescados, movimentaram mais de R$ 100 milhões em negócios. A 5ª rodada, voltada para o artesanato brasileiro, está em andamento e promete bons resultados.

“Estamos fazendo uma grande ‘caravana’ pelo Brasil, passando por todas as regiões do país, contribuindo para fortalecer a cultura exportadora de vários setores produtivos”, explica o presidente da ApexBrasil, Jorge Viana. Otimista, ele diz que o Brasil está em novo momento, com oportunidades em diversos setores da economia. “Até o final do ano teremos contemplado 13 setores diferentes, de móveis, pescados, frutas, cosméticos, calçados, cafés robustas amazônicos e muitos outros, todos com muito potencial exportador. Temos feito isso rodando o país e promovendo nossas empresas para o mundo”, afirma Viana.

Na sexta-feira (29), Jorge Viana esteve em Fortaleza (CE), ao lado do vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, participando do encerramento da 5ª rodada do programa, no evento Diálogos Exporta Mais Brasil. A cerimônia aconteceu na galeria do Palácio da Abolição, entre 9h e 12h, com a presença do governador do Ceará, Elmano de Freitas, e outros parlamentares e autoridades.

1ª e 2ª rodadas: setores moveleiro e de rochas ornamentais

Lançada no mês de agosto, a 1ª rodada do Exporta Mais Brasil foi em João Pessoa (PB), voltada para o setor de móveis. Na ocasião, foram realizadas 97 reuniões de negócios entre seis compradores estrangeiros, de cinco países diferentes, e 22 moveleiras brasileiras arregimentadas pela Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel), parceira da ApexBrasil no projeto setorial Brazilian Furniture. O resultado: R$ 5 milhões em negócios gerados em até 12 meses.

A empresa YIBIRÁ Biodesign da Amazônia, do Amapá, foi uma das participantes da primeira rodada. Sem precisar sair do país, a moveleira conquistou sua primeira venda para o exterior. “A gente já estava prospectando uma oportunidade dessa magnitude há muito tempo e a ApexBrasil conseguiu viabilizar essa parceria. Vai ter produto da YBYRÁ na Alemanha, sim!”, celebrou o CEO da empresa, Yuri Bezerra, durante a rodada.

Ainda no mês de agosto, no Espírito Santo, o setor de rochas ornamentais foi o foco da 2ª rodada do Exporta Mais Brasil, que gerou cerca de R$ 15 milhões em negócios. As negociações entre 24 empresas do segmento e nove compradores internacionais aconteceram durante a 32ª edição do Cachoeiro Stone Fair 2023, a maior vitrine de negócios do mercado brasileiro de rochas, realizada anualmente em Cachoeiro de Itapemirim (ES). A rodada foi realizada em parceria com o Centro Brasileiro dos Exportadores de Rochas Ornamentais (Centrorochas), parceira da ApexBrasil no It’s Natural – Brazilian Natural Stone, projeto setorial de incentivo às exportações de rochas ornamentais brasileiras.

O representante da empresa JP Marble Classic, Jean-Pierre Pieterse, da África do Sul, integrou o time de compradores que participou da segunda rodada do programa e se surpreendeu com a variedade das cores das rochas brasileiras. “Tive uma ótima experiência aqui no Brasil. Eu não esperava a grande variedade de cores disponíveis. Gratidão à ApexBrasil e à Cachoeiro Stone Fair por nos trazerem aqui e nos mostrarem uma realidade maravilhosa. Estamos ansiosos para nos envolver com as rochas brasileiras e as empresas que tivemos a honra de visitar aqui”, relatou.

3ª e 4ª rodadas: cafés Robustas Amazônicos e setor de pesca e aquicultura

No fim de agosto e início de setembro, a ApexBrasil levou 20 compradores de 11 países para ver de perto, em Rondônia, a produção local de cafés Robustas Amazônicos e fazer negócios. Além das reuniões, os importadores estrangeiros visitaram fazendas produtoras e participaram de cuppings – nome dado ao processo que compreende a prova, degustação, pontuação e classificação do grão. No fim, foram mais de R$ 4 milhões em negócios gerados durante essa rodada, que foi a 3ª do programa, e contou com o apoio da Caferon (Cafeicultores associados da região matas de Rondônia), também parceira da ApexBrasil.

“O potencial exportador dos cafés Robustas Amazônicos deu um salto nos últimos anos e, por isso, foi escolhido para ser protagonista da terceira rodada do programa”, explicou Jorge Viana. Segundo ele, o Brasil, que já é reconhecido como o maior produtor e o maior exportador de café, deve passar a ser reconhecido também pela qualidade, sustentabilidade e rastreabilidade do produto.

“Demos um grande passo nesse sentido com os cafés Robustas Amazônicos, que são excelentes cafés, de altíssima qualidade, produzidos por comunidades indígenas, pela agricultura familiar e por médios e grandes produtores”, complementou o gerente de Agronegócio da ApexBrasil, Laudemir Muller.

A valorização do trabalho dos produtores foi uma constante em toda a rodada. O café produzido pelo cafeicultor indígena Tawa Aruá bateu o recorde da valorização: foi vendido por 75 reais o quilo, um preço até então nunca obtido por um Robusta Amazônico. Já a produtora Solange Suruí, da Terra Indígena Sete de Setembro, teve o quilo de seu café vendido acima dos 65 reais. Os grãos são cultivados por ela, pelo esposo e pelos três filhos na roça da família, apenas com adubação natural, e comercializados por meio de associações e cooperativas. “Sempre trabalhamos com carinho o café especial, de sabor natural, produzidos na nossa Terra”, comemora a agricultora.

Já a 4ª rodada do Exporta Mais Brasil ocorreu no Paraná, em Foz do Iguaçu, também neste mês, e foi dedicada ao setor de pesca e aquicultura. No âmbito do V International Fish Congress, e com o apoio de entidades representativas do setor, PeixeBR e Abipesca, a ApexBrasil promoveu 36 reuniões de negócios entre 14 empresas brasileiras de pescados e seis compradores da China, Estados Unidos, Uruguai e Emirados Árabes Unidos. O resultado foi um sucesso: mais de R$ 80 milhões em negócios gerados para os próximos 12 meses.

“Elevamos os pescados brasileiros a um novo patamar, ampliando as fronteiras de nossos produtos e marcas e apresentando volumes expressivos de negócios”, afirmou Laudemir Muller.

O ministro de Pesca e Aquicultura, Andre de Paula, esteve presente na abertura oficial da rodada, onde ressaltou a importância do apoio da ApexBrasil ao setor. “Nós temos conversado muito com a Agência e o papel que ela está cumprindo aqui, durante o Congresso, promovendo as rodadas de negócios internacionais, diz muito sobre a importância dessa parceria, pois a promoção desse setor é uma motivação que une a todos nós sob liderança do presidente Lula”, disse o ministro, na ocasião.

5ª rodada: artesanato

Com foco no setor de artesanato, a ApexBrasil deu início a mais uma rodada do programa na última segunda-feira (25), em Fortaleza (CE). Até o dia 29, 58 artesãs, artesãos, cooperativas, casas de cultura e associações de artesanato de 17 estados brasileiros estarão na capital cearense com compradores da Holanda, Reino Unido, Irlanda, Áustria, Estados Unidos, China, Japão e Jordânia. Ao longo destes dias, os produtores terão a oportunidade de apresentar seus trabalhos aos potenciais compradores convidados pela ApexBrasil e participarão de rodadas de negócios incluídas na programação da 5ª Feira Nacional de Artesanato e Cultura (Fenacce), que também conta com patrocínio da Agência.

“O artesanato brasileiro possui grande potencial para exportação. O segmento reflete a diversidade do uso de matérias-primas e técnicas artesanais de cada canto do Brasil, valorizando a vocação e o saber fazer desses locais. O artesanato produz também emprego e renda para vários artesãos e familiares, gerando impacto para suas comunidades e atendendo às demandas de compradores quanto à geração de negócios com sustentabilidade social”, aponta o presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, que também chama a atenção para os diferenciais competitivos de sustentabilidade, inovação e qualidade presentes na produção artesanal brasileira.

Até o final do ano, outros oito setores da economia brasileira serão contemplados. A próxima etapa será no Rio de Janeiro, de 9 a 11 de outubro, voltada para o setor de cervejas. Em seguida, será a vez dos setores de cosméticos, mel, cafés Arábicas, calçados, sabores da Amazônia, frutas e audiovisual.

Mais informações em Link

POR: Rita Moraes
Publicado em 30/09/2023