ConexãoIn

Dengue na Bahia: aumento de casos acende alerta

Com o aumento de casos de dengue este ano na Bahia (28,3%), e das manifestações mais graves da doença (168%), a preocupação com a prevenção e a imunização se tornam ainda mais importantes, principalmente com a chegada das estações mais quentes do ano (primavera e verão). O infectologista e consultor técnico do Sabin Diagnóstico e Saúde, Claudilson Bastos, destaca que esses períodos, principalmente o verão, concentram também mais chuvas e, consecutivamente, com mais locais com possibilidade de água parada, ideal para a proliferação do mosquito Aedes aegypti.

 “É aquela velha história: onde tem água parada tem risco de proliferação da dengue, uma vez que os mosquitos usam esses espaços para colocar suas larvas, aumentando, assim, o contingente de mosquitos nas cidades. E este quadro pode propiciar um maior número de pessoas contaminadas”, informa o especialista, alertando que as pessoas devem redobrar os cuidados. “É importante evitar que o Aedes aegypti, responsável também pela transmissão da zika e chikungunya, tenha locais para se reproduzir, a exemplo de vasos de planta, calhas das casas, pneus, garrafas, tanques de água abertos e piscinas sem o cuidado adequado”, acrescenta.

Casos de dengue na Bahia 

Informações da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) mostram que, de 1º de janeiro a 5 de agosto, foram notificados 39.896 casos prováveis de dengue no estado; ou seja, 28,3% a mais do que no mesmo período do ano passado (31.102 casos). A situação afeta mais gravemente 24 municípios baianos, que estão em situação epidêmica, a exemplo de Salvador, Camaçari, Lauro de Freitas e Santo Antônio de Jesus.

A Sesab comunicou também um aumento de 168% nos casos de dengue grave no primeiro semestre de 2023: pulou de 250 registros, no ano passado, para 670. O número de mortes, no entanto, teve uma redução de 55%.

Na capital baiana, o crescimento de casos de dengue acendeu um alerta preocupante. Isso porque os dados do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Ciev-SSA), vinculado à Prefeitura de Salvador, revelam que, no comparativo entre 2022 e 2023, ocorreu um incremento de 669,8% dos casos registrados da doença entre janeiro e agosto.

Vacinação contra a dengue 

De acordo com o infectologista Claudilson Bastos, os cuidados com a prevenção ganham um grande aliado com a disponibilização de uma vacina que ajuda a prevenir o agravamento dos casos mais graves da dengue. Um exemplo disso é o imunizante Qdenga (TAK-003), produzido pelo laboratório Takeda e licenciado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A nova vacina protege contra todos os quatro tipos do vírus causadores da doença. São elas: a DENV1, DENV2, DENV3 e DENV4, sendo os tipos 1, 2 e 4 os mais comuns no Brasil. Além disso, a Qdenga previne mais de 80% dos casos gerais de dengue e reduz em 90% os casos de hospitalização”, destaca o médico.

O imunizante – que pode ser administrado em pessoas de 4 a 60 anos, inclusive em indivíduos que não tiveram a doença – está disponível somente na rede privada, como nas unidades de vacinação do Sabin, assim como no atendimento móvel, disponíveis em Salvador, Lauro de Freitas, Barreiras e região.

Exame unificado 

Além do aumento dos casos de dengue, há também o maior número de ocorrências de contaminação por zika na Bahia. O último boletim de arboviroses da Sesab aponta que, de 1º de janeiro até o dia 7 de agosto, foram 1.689 notificações. Isso representa um incremento de 81,4% na comparação com 2022, quando foram registrados 931 casos. Com relação à chikungunya, a Bahia registrou uma redução de ocorrências de 17,4%, de janeiro a agosto. Foram 13.778 casos prováveis contra 16.687 registros no mesmo período de 2022.

Para apoiar a detecção desses três arbovírus (dengue, zika e chikungunya), o Sabin disponibiliza um exame unificado, que utiliza técnica de biologia molecular RT-PCR capaz de identificar os vírus ainda na fase aguda, quando está replicando. Isso acontece nos cinco primeiros dias dos sintomas.

Para isso, é coletada uma única amostra de sangue, com o resultado sendo entregue entre três e quatro dias. Antes, os pacientes precisam fazer exame específico para cada vírus, o que acontecia após 10 dias das primeiras manifestações.

A rapidez e eficiência promovidas pelo exame unificado, de acordo com a coordenadora do Núcleo Técnico Operacional (NTO) do Sabin, Híbera Brandão, propicia uma maior agilidade no início do tratamento dos pacientes. “Isso acontece também porque o teste apresenta excelente sensibilidade e especificidade, auxiliando o médico a iniciar o mais rápido possível o tratamento já no início das manifestações, evitando possíveis complicações”, pontua.

Sobre o Grupo Sabin  

Referência em saúde, destaque na gestão de pessoas e liderança feminina, dedicado às melhores práticas sustentáveis e atuante nas comunidades onde está presente, o Grupo Sabin nasceu na capital federal, fruto da coragem e determinação de duas empreendedoras, Janete Vaz e Sandra Soares Costa, em 1984. Hoje, conta com cerca de 7000 colaboradores unidos pelo propósito de inspirar pessoas a cuidar de pessoas.

Presente em 15 estados, além do Distrito Federal, a empresa oferece serviços de saúde com excelência, inovação e responsabilidade socioambiental às 78 cidades em que está presente e atende a mais de 7 milhões de clientes por ano, em 350 unidades distribuídas de norte a sul do país.

POR: Rita Moraes
Publicado em 18/08/2023