ConexãoIn

Clínica de estética Natálya Beauty, preferida de famosos, é alvo de operação policial em São Paulo

Uma das clínicas de estética de Natalia Martins, dona da marca Natalia Beauty, localizada em Pinheiros, região Oeste de São Paulo, foi alvo de operação policial e de agentes da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa), na tarde de terça-feira, 10. O motivo da deflagração é investigar se o local fabrica cosméticos sem autorização e comercializa medicamentos sem registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Entre as clientes da rede estão grandes nomes do entretenimento, como Jade Picon (ex-BBB), Fernanda Keulla (ex-BBB), Driely Bennettone (modelo), Cleo (atriz), Giovanna Chagas (influenciadora), Majur (cantora), Yaryley (influenciador), Eslovênia Marques (ex-BBB) e até Gabi Brandt (ex-De Férias com o Ex).

De acordo com a denúncia, a clínica estaria utilizando e comercializando produtos de natureza duvidosa, além de adulterar produtos e rótulos. Dessa forma, a Natalia estaria operando um laboratório cosmético clandestino, adquirindo produtos de outro fornecedor, criando seus próprios  e realizando apenas a troca dos rótulos originais.

Por conta da suposta adulteração, os rótulos não estariam com as devidas informações sobre a composição, com as quantidades dos componentes da fórmula, além de também não disponibilizar informações de uso e precauções com o uso.

Os principais produtos usados e comercializados que estariam fora dos padrões da legalidade são: Hyalu pump: anestésicos (sobrancelha e boca) – armazenados em geladeira sem temperatura controlada e junto com alimentos, além de também ter sido feita troca de etiqueta original para a da marca de Natalia Beauty, adulterando, inclusive, o prazo de validade; Máscaras faciais – Troca da etiqueta original pela da marca de Natalia Beauty; e pijamas comprados na China sem nota fiscal. A denúncia também aponta irregularidades no controle de temperatura para preservar produtos sensíveis, tais como anestésicos.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que a Unidade de Vigilância em Saúde (Uvis) Lapa/Pinheiros afirmou que na ação de fiscalização, as autoridades sanitárias adotaram as medidas administrativas cabíveis, em consonância com a Lei Municipal 13725/2004 – Código Sanitário Municipal, tendo em vista tratar-se de comercialização de produtos de interesse à saúde sem a devida regulamentação e sem registro da Anvisa. Foi instaurado processo administrativo sanitário, que segue os trâmites legais, estando o infrator sujeito às penalidades previstas em lei”, afirmou o órgão por meio de nota.

POR: Rita Moraes
Publicado em 12/05/2022