ConexãoIn


Associação Nacional das Baianas de Acarajé pede socorro

A ABAM – Associação Nacional das Baianas de Acarajé e Mingau, Receptivos e Similares da Bahia está sofrendo seguidas perdas por causa da falta de segurança e policiamento nas proximidades do Memorial das Baianas, na Praça da Cruz Caída.  Sua presidente, Rita Ventura, informa que após inúmeros registros nos órgãos competentes de proteção e segurança, a sede da instituição continua sendo saqueada, como na manhã do domingo, dia 9 de outubro, quando foram roubados os toldos instalados há pouco mais de dois meses na entrada e janelas do Memorial das Baianas.

“Seguimos pedindo socorro e atenção para quem possa resolver as ações criminosas que agem tranquilamente na noite e na madrugada, deixando para traz os objetivos que lhes permitem concluir os crimes sem a menor punição. Já foram encontrados pedaços de madeira, de ferro, escadas de alumínio, tesouras, facas e outros objetivos no entorno das instalações da ABAM no dia seguinte após a ação dos bandidos. Registramos com fotos os instrumentos usados para facilitar o roubo e até então nada foi feito pelos órgãos competentes”, declara Rita.

Rita Ventura ressalta que para manter de pé e em perfeito funcionamento o Memorial das Baianas e a ABAM contam com taxa mensal de R$ 12,00,  investimento feito pelas associadas e com o que a instituição arrecada com as visitas ao Memorial das Baianas, que tem ingressos a R$ 5,00. “Se continuarmos sem as perfeitas condições de trabalho com segurança, certamente  em breve teremos que suspender nossas atividades e com certeza isso seria um prejuízo cultural para toda Bahia. Precisamos de medidas efetivas e diálogo constante e transparente com a Segurança Pública, Polícia Militar, Guarda Municipal e todos órgãos de proteção que atuam em nosso estado” afirma ela.

POR: Rita Moraes
Publicado em 14/10/2022