ConexãoIn


Artrite Reumatoide: doença acomete mulheres duas vezes mais do que homens

Multifatorial, a artrite reumatoide é uma doença inflamatória sistêmica, autoimune, crônica e progressiva, caracterizada primariamente pelo comprometimento das articulações periféricas, podendo levar à deformidades permanentes, que acomete duas vezes mais mulheres do que os homens.

Associada a múltiplos fatores genéticos e ambientais, que levam à quebra da tolerância imunológica e início do processo inflamatório articular, a artrite reumatoide possui como um dos principais fatores de risco o tabagismo. Os primeiros sintomas dessa doença são manifestados geralmente entre os 30 a 40 anos e sua incidência tende a aumentar juntamente com a idade. Acompanhada por dor, edema e calor em qualquer articulação do corpo, principalmente nas mãos e punhos, a inflamação provoca rigidez prolongada, caracterizada por sensação de enrijecimento, percebida sobretudo pela manhã, ao acordar.

O TRATAMENTO

A médica especialista em reumatolgia, que atende na clínica IBIS em Salvador, Viviane Machicado explica que a artrite reumatoide é uma doença crônica e, portanto não possui cura, mas pode, sim, ser controlada.

“Os tratamentos atuais possibilitam alcançar a remissão da doença, permitindo retorno a qualidade de vida e melhora dos sintomas. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico e iniciado o tratamento, mais fácil será o controle da doença e melhor o seu prognóstico.”

Apesar dos tratamentos medicamentosos terem evoluído significativamente nos últimos anos, estes variam de acordo com o estágio da doença, atividade e gravidade, devendo ser mais agressivo quanto mais intensa for a doença.

“A base do tratamento são as drogas modificadoras do curso da doença, a maior parte delas imunossupressoras. Mais recentemente os agentes imunobiológicos passaram a compor as opções terapêuticas, modificando definitivamente o curso da doença. O tratamento deve incluir também a educação dos pacientes e familiares sobre a enfermidade, além de terapias físicas (fisioterapia, terapia ocupacional)”, explica Dra. Viviane.

A progressão pode causar a destruição da cartilagem articular e os pacientes podem desenvolver deformidades e incapacidade para realização de suas atividades diárias, por isso é de suma importância que ao menor e primeiro sintoma, um médico especialista em reumatologia seja contatado. Assim, o tratamento mais específico para cada caso pode ser traçado e desenvolvido.

Dra. Viviane Machicado é médica especialista em reumatologia e atende na clínica IBIS em Salvador-BA, associada ao Grupo Cita (Centros Integrados de Terapia Assistida), e está disponível para entrevistas.

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 07/03/2023