ConexãoIn


A premiada Renato Vieira Cia de Dança estreia seu novo espetáculo, “Suíte Rock – Para loucos e amantes”, dia 7 de abril, no Teatro I do CCBB

A partir da difícil experiência do isolamento e da solidão, vivida durante a pandemia, o coreógrafo Renato Vieira sentiu a urgência de criar um espetáculo que inspirasse o desejo de liberdade e celebrasse a importância dos encontros. “Suíte Rock – Para loucos  e amantes”, que estreia, dia 7 de abril, no Centro Cultural Banco do Brasil, tem o desafio de juntar em cena bailarinos e músicos em novas expressões artísticas que reflitam sobre as relações e desejos que surgem em um mundo pós-confinamento. Com direção de Renato Vieira, codireção de Bruno Cezario e direção musical de Maria Clara Barbosa, a obra inédita da Renato Vieira Cia de Dança dá continuidade à pesquisa do grupo, que frequentemente mistura elementos eruditos e populares. Desta vez, sucessos de Led Zeppelin, Supertramp, Pink Floyd, Queen, Sting, R.E.M e The Rolling Stones, executados ao vivo por um quarteto de cordas, celebram a união entre o rock e  a música de concerto. O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil.

“Em todo o mundo, as ruas ficaram vazias, e as pessoas, dentro de casa, cheias de arte. Estar em um mundo em suspensão e ouvir o acorde de um celista me fez transbordar num infinito de emoções. Daí a urgência de criar um espetáculo pós-confinamento que  sirva para aguçar o som poético de um acorde de um violoncelo, um violino, um movimento, uma sequência coreográfica”, explica Renato Vieira.

A proposta é transpor um repertório de clássicos do rock dos anos 70 e 80 para um quarteto de cordas. No entanto, em vez de um quarteto clássico, com dois violinos, uma viola e um violoncelo, o espetáculo conta com um violino, uma viola e dois violoncelos. Um dos violoncelistas aposta em um estilo que flerta com o rock’n’roll – ele usa pedais, distorção, efeitos variados e toca o violoncelo como se fosse uma guitarra. Ora ele toca da forma clássica, ora como um guitarrista ou um baixista de uma banda de rock. “Várias orquestras pelo mundo já fizeram essa transposição, criando espetáculos de rock com sinfônicas. Nossa proposta é levar essa transposição para o corpo, para a dança. Nossos bailarinos trabalham o corpo com a técnica do ballet clássico, e a criação  coreográfica é contemporânea”, explica Renato Vieira.

Renato Vieira dirige há mais de 30 anos a companhia de dança que leva seu nome, sempre movido pelo desejo de pesquisar uma linguagem de movimentos que trouxesse  à cena o que conceituou como sendo dramaticidade da condição humana. “Para mim, o  mais importante deste espetáculo é estarmos juntos, criando coreografias e misturando músicas com propostas de novos arranjos. Essas escolhas musicais fizeram parte de uma grande mudança de comportamento, pensamento e atitudes na minha adolescência. Então, estou também revolvendo um passado em que o rock estava intensamente na minha vida, podendo unir minha linguagem erudita à liberação presente naquela fase”, detalha o coreógrafo.

Sobre Renato Silveira                                                      

Renato Vieira é figura importante em diversas áreas da cena contemporânea. Começou sua carreira com o lendário Lennie Dale, dançou com Dalal Achcar, fundou o Vacilou Dançou com Carlota Portella e, no final dos anos 80, criou a Renato Vieira Cia de Dança, com espetáculos de sucesso como “Terceira Margem”, “Rizoma”, “No me digas que no”, “BLUE bonjour tristesse” e “Malditos”. Como coreógrafo convidado assinou peças para o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, o Teatro Guaíra, o Teatro Municipal de Niterói, o  Balé da Cidade de São Paulo e para a Cia de Dança de São José dos Campos, onde acumulou o cargo de diretor. Assinou mais de 40 espetáculos como diretor de movimento, em parcerias com Gustavo Gasparani, Pedro Brício, Claudio Botelho e Charles Moeller, Wolf Maya, entre outros. Assinou a coreografia de Abertura dos Jogos Pan Americanos. Foi durante 10 anos coreógrafo da Comissão de Frente da Escola de Samba Grande Rio, coreografou a Comissão de Frente da Portela e da São Clemente. Pelo conjunto de sua obra recebeu, em 2004, o Prêmio Icatu Holding, com uma residência de seis meses na Cité des Arts, em Paris, França.

Sobre o CCBB RJ

O Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro funciona na 2ª, 4ª a sábado, das 9h às 21h, no domingo, das 9h às 20h, e fecha na terça-feira. A entrada do público é permitida apenas com apresentação da comprovação de vacinação contra a COVID-19. Não é necessária a retirada de ingresso para acessar o prédio, os ingressos para os eventos podem ser retirados previamente no site eventim.com.br ou presencialmente na bilheteria do CCBB.

Ficha Técnica:

Patrocínio: Banco do Brasil

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Direção geral e coreografia: Renato Vieira

Codireção: Bruno Cezario

Direção musical: Maria Clara Barbosa

Bailarinos: Bruno Cezario, Soraya Bastos, Felipe Padilha, Hugo Lopes, Rafael Gomes

Músicos: Quarteto de Cordas com Sarah Cesário, Rafael Kalil, Denis Rangel e Karen Barbosa

Professora de ballet clássico: Manoela Cardoso

Fotografia: Guilherme Licurgo / Renato Mangolin

Iluminação: Luiz Oliva e Renato Vieira

Figurinos: Bruno Cezario

Design: Cristhianne Vassão

Direção de Produção: Tatyana Paiva

Assessoria de Imprensa: Rachel Almeida (Racca Comunicação)

Intérpretes de Libras: JDL Traduções

Serviço: 

Suíte Rock – Para loucos e amantes

Temporada: De 7 de abril a 8 de maio.

Dias e horários: 5ª a sáb., às 19h, e dom., às 18h. Sessão extra: 7 de maio, às 16h30. Sessão com acessibilidade (tradução em libras com bate papo no final): dia 1º de maio. Não haverá espetáculo no dia 5 de maio.

  Local: CCBB – Teatro I (Rua Primeiro de Março, 66 – Centro).

Informações: 3808-2020.

Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

Onde comprar: na bilheteria do CCBB ou no site Eventim: https://www.eventim.com.br/artist/suite-rock/

Capacidade: 172 lugares.

Duração: 55 minutos

Classificação indicativa: 12 anos

POR: Rita Moraes
Publicado em 01/04/2022