ConexãoIn

11ª edição do Festival Novas Frequências inaugura exposição virtual

O festival internacional de arte sonora, música experimental e de vanguarda Novas Frequências abre uma exposição virtual com 20 obras, com inauguração em 1º de dezembro, e ocupa diferentes pontos do Rio de Janeiro com atividades presenciais, de 29 de novembro a 5 de dezembroEsses são os dois últimos desdobramentos de sua 11ª edição, que teve um ano intenso: lançou em março o livro Estudando o som (Numa Editora) e o média-metragem À Margem; fez a curadoria, entre setembro e novembro, das apresentações de música experimental da 34ª Bienal de São Paulo; realizou um inédito projeto de formação em outubro – com encontros livres e residências artísticas –, e inaugurou, no início de novembro, uma instalação sonora do MIHNA no Oi Futuro, que fica em cartaz até 16 de janeiro de 2022. O festival tem patrocínio da OiSecretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de JaneiroLei Estadual de Incentivo à Cultura, com apoio cultural do Oi Futuro.

Continuando os experimentos promovidos digitalmente em 2020, quando comemorou seus 10 anos de atividade em meio a cruzamentos entre a música e outras linguagens artísticas, o NF inaugura no dia 1º de dezembro uma galeria virtual com 20 obras inspiradas no tema do festival este ano: “Pra onde agora”? 

Com direção de arte e programação 3D imersiva realizada por Felipe Nunes, a exposição conta com trabalhos de Aun Helden & QEEIAPT.LABbiarritzzz & Glor1aChama (Ana Lira convida Aishá Lourenço e Elton Panamby); Coletivo TurmalinaDeafbrickDumaSimon GrabGenesysFelipe VazInés TerraMarabuLevi KeniataBeré MagalhãesMarciozMarcus MaederNovíssimo EdgarNicole L’HuillierPedro OliveiraRafael MeligaRomy Pocztaruk & Caio AmonSara Não Tem NomeSol Rezza & Analucía Roeder; e Wellington Gadelha. A mostra pode ser acessada, a partir de 1/12,pelo site do festival,  www.novasfrequencias.com.

 

Segundo Chico Dub, “Pra onde agora?”, a pergunta título do #NF2021 que funciona como gatilho norteador da programação, “é uma das questões mais emblemáticas do tempo presente. A sensação que dá é que a humanidade se encontra totalmente perdida em uma espécie de beco sem saída, labirinto ou encruzilhada. Estamos vivendo, dentre muitas outras coisas, retrocessos político-sociais, uma devastação que parece não ter fim do meio ambiente, crises de pânico e ansiedade se tornando cada vez mais corriqueiras, relações de trabalho cada vez mais nocivas e até mesmo a volta da fome no Brasil.”

A pergunta também possui um caráter reflexivo sobre o próprio futuro do festival. Chico Dub afirma que “Os 10 anos completados no ano passado se constituem como um marco e tanto. Lançamos livro, filme, fizemos uma parceria com a Fundação Bienal e o Teatro Cultura Artística que desembocou em uma série de performances na 34ª Bienal de São Paulo, dentre outros. Para um festival que busca se transformar a cada ano, precisamos encontrar outros caminhos para continuarmos relevantes, nos desafiando a todo o momento. Quando lançamos essa pergunta-provocação aos artistas da programação, é como se estivéssemos pedindo ajuda para que eles nos guiem em direção a futuros possíveis”.

Futuros esses que, como vem tentando nos ensinar Ailton Krenak, precisam urgentemente ser adiados. Ou reconstruímos nossa forma de habitar o mundo e nos relacionar com a natureza, ou seremos liquidados. É a partir da compreensão desse recado e reconhecendo a potência natural que forma o território brasileiro que o Festival Novas Frequências apresenta a sua primeira instalação a ocupar uma galeria no Centro Cultural Oi Futuro. Trata-se do Museu de História Natural da Amazônia, MIHNA, que desloca o regime da visualidade do cubo branco para os ouvidos com inúmeras gravações de sons e histórias da região que abriga o bioma. Mote, também, da obra de Marcus MaederVozes da Floresta, que capta fragmentos sonoros da Amazônia Central, aos quais se somam depoimentos, manifestos, música e discursos em sua apresentação via transmissão por uma rádio web, o que acaba por formar uma polifonia complexa. Se é da terra que vem nossa existência e subsistência, é da terra que a chilena Nicolle L’Huiller propõe colher novas sonoridades em sua obra Semilla Natural ao desenvolver sementes que são uma pequena cápsula contendo um alto-falante e um mp3 player, que deve ser enterrado no solo em um ritual. A semente de L’Huiller é um amuleto, peça simbólica, que busca criar conexões entre os corpos e a terra, ativando a sensibilidade como forma de resistência. Já AFàé o trabalho que nasce a partir da expansão do projeto YADÚ, de Iggor Cavaleira e Nelson D, ao estabelecerem parceria com Vitória CribbAFàafirma que é preciso enxergar o que ouvimos e, se constituindo numa realidade virtual, propõe uma pausa na busca ansiosa de prever o futuro através de um mergulho imersivo dentro de si. A proposta do YÃDÚ é a conexão com a ancestralidade através da música e da relação com a identidade. O coletivo OPAVIVARÁ! convida o público a tocar uma espécie de árvore percussiva que possui panelas no lugar de galhos – daí o nome da obra, FLORA TREME -, unindo a representação da forma da natureza e sua integração à cultura. 

No lado oposto da criação que se pauta no território inexplorado, exaltando a descoberta e a preservação, convocamos artistas que buscam, em seus processos, elaborar uma denúncia a respeito dos excessos que têm destruído nosso meio ambiente e que nos trouxe a esse momento de crise política e social  do capitalismo tardio. Plástico, petróleo, emissão de gás carbônico, desmatamento. As discordâncias no movimento dos materiais é ponto de partida para a vídeo-performance do duo APT.LAB, formado por Thiago Salas e Talita FlorêncioSem Título (motor), de Gabriela Mureb, é uma instalação que nos leva ao paroxismo do excesso. O mesmo panorama aparece desenhado na poética-musical do vídeo-álbum Blue Echos, de Romy Pocztaruk e Caio Amon.

A dimensão onírica é retratada em diferentes perspectivas. De um lado, pelo etéreo, como já sugere Éter, título da instalação sonora de Anna Costa & Silva, que mergulha no universo escuro do pré-sono no qual surgem histórias de vida, traumas e  reflexões sobre o amor, o medo, o tempo e a memória. O multiartista Wellington Gadelha propõe o Manifesto do Sonho, um filme-animação no qual diz que “a denúncia do assombro é o anúncio do sonho!”, mergulhando pelas entranhas da vida cotidiana de seu estado, o Ceará. Por outro lado, há uma visão sobre o subconsciente como uma espécie de prisão. Da super junção entre a banda Deafbrick (Deafkids + Petbrick, de Iggor Cavalera e Wayne Adams), a dupla queniana Duma, o produtor suíço Simon Grab e a produtora de conteúdo brasileira Genesys, nasce o vídeo game noventista Roam, em que propõem o perambular pelo labirinto das representações de situações não compreendidas. Sara Não Tem Nome também busca uma saída ao labirinto dos pensamentos para que eles não determinem seu caminho, desprendendo-se de seu corpo para ocupar outros lugares em Exodus. A distorção da percepção assume papel intenso na experiência proposta pela artista sonora e compositora argentina Sol Rezza e pela artista visual peruana Analucía Roeder em Filaments of a Circle, em que criam situações que buscam se aproximar da síndrome na qual Lewis Carrol se baseou para descrever as experiências de sua personagem em Alice no País das Maravilhas.

É tempo de conexão. E o futuro do “Pra onde agora?” não prescinde do passado, como o anjo da história de Benjamin, que tem o corpo apontado para frente e a cabeça voltada para trás. Por outra perspectiva, o passado depende do futuro, como no itã de Exu, que abre caminho para o acontecimento: quando joga a pedra hoje que mata o pássaro no dia anterior, Exu reinventa o passado. É o orixá que ensina que as coisas podem ser reinauguradas a qualquer momento. E é saudando aquele que habita as encruzilhadas que o MC paulistano Marabu se une ao produtor Levi Keniata e ao artista visual Beré Magalhães numa vídeo-performance que aborda o universo dos bailes da zona sul de São Paulo. De forma mais poética, o rapper Novíssimo Edgar problematiza apropriações culturais capitalistas através de uma luta entre um samurai e um tengu, criatura fantástica do folclore japonês cujas lendas possuem traços tanto da religião budista quanto xintoísta. Tanto Marabu, quanto Edgar estarão dentro de um mesmo espaço virtual pensado pelo ogã e artista visual Felipe Nunes a partir das significações da encruzilhada. Já na imersão proposta pelo Festival pela Ilha de Paquetá, a artista Valéria Martins apresenta a feitura de um ebó em sua instalação Naturaleza Abismada, nos convidando a olhar o âmbito do sagrado e engrandecendo sua descendência africana através do processo de criação artístico. 

A morte é uma imagem que pode ser trabalhada com diferentes simbologias, para além do seu significado literal ou junto a ele. A performer Aun Helden, por exemplo, mata o corpo branco, cis, normativo e cria sua própria experiência através de próteses plásticas em que gênero e sexualidade são desconstruídos para dar lugar ao novo corpo fluido e autônomo, criando um funeral com música da argentina residente em Berlim QUEEI feita exclusivamente para a performance. Assim como a dupla biarritzzz e Glor1a, que juntam suas perspectivas sobre a interação entre corpos não hegemônicos e alienígenas numa criação transmídia de sons exploratórios, vídeo game, futurismo, memes, política, videoarte e cultura pop. O contraponto à morte é a transformação da vida pela intuição, como propõe a união de Ana Lira com o coletivo Chama, permeando deslocamentos internos invocando a imagem da fáscia para se movimentar pelo mundo. Resistir à morte que nos rodeou de tão perto nesse último ano se tornou um imperativo. Unirmo-nos, ainda que na distância, foi essencial, e continua sendo: por isso o artista sonoro Felipe Vaz propõe uma obra colaborativa, que se tornará coletiva. Através de um processo seletivo em que os interessados enviaram vídeos apresentando seu interesse em participar, Vaz selecionou 16 desses artistas para realizarem a performance de sua partitura e que entrarão em sua edição final da peça. 

Longe do diálogo integrativo com a natureza, há também a perspectiva de se compreender as diferentes territorialidades das cidades: quem ocupa qual espaço e quais as sonoridades e escutas que dali emergem. Seguindo a tradição de trazer nomes de destaque da cena eletrônica e da música de pista, o #NF2021selecionou DJs, produtores e live acts de destaque das periferias do Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Três artistas da baixada fluminense apresentam o som urbano das periferias que vem ganhando público pelo território nacional e internacional: o grime, estilo inglês que mistura as batidas e o flow do hip hop à música eletrônica, que ganhou, no Rio de Janeiro, elementos do funk. ANTCONSTANTINO é um dos fundadores do Brasil Grime Show, canal com mais de 100 mil inscritos no YouTube. Tanto ele, quanto Jacquelone compõem uma cena DJ’s que circulam pelas mesmas pistas e ondas virtuais, e Larinhx, alcunha de Lara Dantas. Já da zona norte do Rio, soma-se à programação um dos principais destaques do Brasil Grime Show, reconhecido na cena brasileira e na internacional, SD9. De Porto Alegre, o coletivo Turmalina, formado por DJ’s, designers e videomakers, entende a música como uma ferramenta de revolução para compreender e afirmar as culturas de raízes africanas pelo espaço da cidade, promovendo festas e intervenções multimídias, remapeando as formas de ocupação urbana. 

Mesmo buscando novos caminhos e propostas, o NF valoriza, a cada ano, artistas cujas pesquisas estão voltadas à expansão sonora que dá nome ao festival. A música experimental ou de exploração – termos que vêm sendo debatidos, não sem tensões ou disputas – apresenta-se cada vez mais fértil, seja via a improvisação livre com instrumentos, tradicionais ou não, e com a voz, orgânica ou não. O Conde Favela Sexteto, jazz criado no ABC paulista, há 10 anos vem trabalhando seu estilo e apresenta as sonoridades de seu primeiro disco, lançado durante a pandemia, “Música para tempos de guerra”. E uma reunião entre os musicistas e Joana QueirozBruno QualMaria Beraldo e Sergio Krakowski para duas sessões de improviso – uma delas em local e hora surpresa.

Já Inés Terra, artista argentina radicada em São Paulo, apresenta um poema audiovisual que possui como centro seu trabalho vocal e a liquidez dos tempos. As diferentes pesquisas artísticas que compõem o festival neste ano pensam sobre passado, presente e futuro por diferentes perspectivas, mas trazem em comum a determinação em manter viva não só a arte e a cultura, mas o direito ao pensamento, à reflexão, ao sonho e a construção do agora e suas sucessões. DESMONTE (Zona do Não-Ser), de Pedro Oliveira, radicado em Berlim, é uma peça vocal com participação da vocalista e baixista da banda de death metal Crypta Fernanda Lira, que empresta sua voz para este trabalho, que tenta reconstruir de maneira rudimentar as técnicas de transformação espectral utilizadas pelo software que questiona a violência das fronteiras e a persistência do colonialismo, a limitação dos softwares e a precariedade humana.

O uso das gravações de campo – ou field recordings – como prática artística, assunto abordado no Ciclo de Saberes pelos professores Alexandre Fenerich e Paulo Dantas, é a base para o trabalho Entremarés da compositora argentina radicada no Brasil Verónica Daniela Cerrotta, peça com elementos musicais misturados a sons submarinos e de superfícies vibrantes para ser ouvida dentro do mar, na ocupação que o NF promove em Paquetá nesta edição. Na Galeria Virtual, um mergulho pela paisagem 22°20’20.1″S 42°48’03.7″W da vídeo-arte de Rafael Meliga nos leva a contemplar a natureza e seu conjunto de elementos móveis, luz, água, formação mineral e vegetação.

A volta das tão sonhadas atividades presenciais se faz presente em alguns formatos inéditos. No Alalaô Kiosk, um quiosque em frente à Praia do Arpoador com foco em arte e sustentabilidade, o artista Mbé (Luan Correia) irá realizar entre os dias 29/11 e 02/12 a instalação Poesia de Criolo, que é uma espécie de cinema sonoro que carrega discursos históricos sobre a negritude e amplifica tensões sociais no lugar mais (será?) democrático da praia carioca.

Na sexta-feira, 03/12, na Biblioteca Parque Estadual, no centro da cidade, o festival promove três performances que preveem a construção de um diálogo entre as artistas que se apresentarão, o espaço e o público, partindo do mote da curadoria sobre os caminhos a serem tomados no futuro imediato, unindo a música à educação e à literatura. Taticocteau apresentará uma sonificação que envolve áudio e criação de imagem por diferentes processos, como desenho e foto, endereçada a seus alunos participantes de um workshop. Deize Tigrona revê sua trajetória no funk carioca após uma pausa na carreira, comemorando os 21 anos desde seu lançamento com a clássica “Injeção”, que despertou uma discussão sobre a produção cultural da periferia, bem como sobre o machismo nas relações afetivas e a precariedade do ensino sobre sexo entre jovens e adultos. Já Leandra Lambert abordará duas escritoras importantes, Ana Cristina César e Hilda Hilst, se apresentando como Lea Luxfera, invocando uma não conformidade com que está dado, feminismo e neurodivergência.

No dia seguinte, 04/12, em Paquetá, o Novas Frequências convida o público a pensar “Pra onde agora?” rodeado de mar por todos os lados. A programação conta com um total de 14 atrações, como OpavivaráGabriela MurebANTCONSTANTINOVitória CribbMaria BeraldoNelson D e Iggor Cavalera, via performances, instalações e shows distribuídos por distintos espaços da ilha, convidando o público a um dia inteiro de imersão. Para finalizar o festival, no domingo dia 05/12, o Novas Frequências promove o primeiro encontro de sistemas sonoros ambulantes do Rio de Janeiro, reunindo os coletivos BananobikeCircular Som Sistema e Mico Leão para um cortejo público e coletivo no Aterro do Flamengo. O encerramento do evento se dá com um show do artista Africanoise amplificado pelos sistemas das próprias bicicletas na antiga “pista de danças e performances” do Aterro, atual Arena Socioambiental, projetada pelo arquiteto Affonso Eduardo Reidy, um dos grandes nomes do urbanismo moderno. 

Novas Frequências é um festival internacional que promove experiências ao redor da música experimental, da música de vanguarda e da arte sonora e seu formato é descentralizado – não se prende ao teatro, ao palco ou a qualquer tipo de configuração tradicional de apresentação que separa artista e público, se espalhando pela cidade. O Festival realiza anualmente shows, performances, instalações, caminhadas sonoras, festas, atividades formativas e ocupa casas de show de diversos tamanhos e propostas, salas de concerto, instituições de arte e espaços públicos como praças, jardins, museus e escolas. 

Recapitulando o NF em 2021

O ano de 2021 começou com o Novas Frequências produzindo dois documentos históricos em torno das comemorações dos 10 anos do festival. Em maio, lançou “Estudando o Som”, livro-antologia publicado pela Numa Editora e que faz parte da Coleção Arte e Tecnologia, do Oi Futuro, reunindo 20 ensaios comissionados sobre música experimental e arte sonora, que tomam o festival como ponto de partida para discutir temas, eixos e conceitos propostos pelo mesmo ao longo de seu percurso. No mesmo mês, o festival lançou o média-metragem “À Margem”, um registro sonoro e visual sobre os 10 anos do Novas Frequências que possui como função primordial expressar de que matérias se constitui o festival, costurando sons e imagens capturados desde a sua fundação, em 2011. 

Entre o início de setembro e final de novembro de 2021, o NF está curando as apresentações de música experimental da 34ª Bienal de São Paulo. Com correalização da Bienal e o Teatro Cultura Artística, expositivo. ⁣⁣Parte dessas apresentações estão registradas no documentário de curta-metragem comissionado para o festival Sesc Jazz, “Música-Arte: um filme para o Festival Novas Frequências”.

Em sua 11ª edição, o #NF2021 expandiu seu tempo de duração e campo de atuação. As atividades se iniciaram em outubro, inauguradas com um inédito Programa de Formação, ao qual chamamos de “Ciclo de Saberes“. O objetivo da proposta foi incorporar a importância de desdobramentos educativos e de desenvolvimento na configuração anual do festival. Com apresentação do Goethe-Institut e do Serviço de Cooperação e Ação Cultural do Consulado da França no Rio de Janeiro, o Programa de Formação aconteceu entre outubro e novembro, se dividindo em dois eixos: um aberto gratuitamente ao público, caracterizado por encontros semanais ligados a questões abarcadas pela arte sonora e música experimental; e o outro fechado, dedicado a residências artísticas e mentorias de dois jovens artistas baseados no Rio de Janeiro: Mbé (Luan Correia) e Taticocteau, cujos trabalhos inéditos, frutos das residências, serão apresentados durante o festival.

Em novembro, o Novas Frequências inaugurou a instalação sonora MIHNA – Museu Imaginário de História Natural da Amazônia no Centro Cultural Oi Futuro. A obra é uma instalação sonora que abarca uma coleção de sons e histórias que abrem a escuta como portal de entrada para paisagens, ecologia e cultura da floresta amazônica. De pequenos contos sobre pássaros à expedições poéticas na floresta de Igapó, essas narrativas assumem diferentes formatos, uns mais contemplativos e outros mais informativos. Uma série de personagens e cenários dão voz a histórias de evolução, produção de alimentos, resiliência e violência, geologia, uso da terra e possíveis futuros. O público poderá explorar o MIHNA passeando pela sua expografia com fones de ouvido dispostos em suas “salas temáticas”. 

Line-up em ordem alfabética: 

  • Africanoise (BR)
  • Anna Costa & Silva: Éter (BR)
  • ANTCONSTANTINO (BR)
  • APT.LAB: 135ºW 155ºW 35ºN 42ºN (BR)
  • Aun Helden & QEEI: Burial Flowers Are Eternal As They Decay (BR/AR,DE)
  • biarritzzz & Glor1a: The death of tomorrow (BR/UK)
  • Chama (Ana Lira convida Aishá Lourenço e Elton Panamby): Fluxo 9 … navegando entrefáscias para sentir as viradas em intuição (BR)
  • Coletivo Turmalina: AGANJÚ (BR)
  • Conde Favela Sexteto (BR)
  • Deafbrick, Duma, Simon Grab, Genesys: Roam (BR,UK/KE/CH/BR)
  • Deize Tigrona (BR)
  • Felipe Nunes: 394 Paralaxxx (BR)
  • Felipe Vaz: Juntos/as/xs/es (BR/DE)
  • Gabriela Mureb: Sem Título (motor) (BR)
  • Inés Terra: Tudo o que é sólido (AR/BR)
  • Jacquelone (BR)
  • Larinhx (BR)
  • Leandra Lambert/Lea Luxfera: Ancorar um navio no espaço de sons e água (BR)
  • LSSA – Liga de Sistemas Sonoros Ambulantes (Bananobike, Circular Som Sistema e Mico Leão) (BR)
  • Marabu x Levi Keniata x Beré Magalhães: Sequelas noturnas de uma mente encruzilhada (BR)
  • Marcioz: Three Fences of Time (ft. Andrea Alvarez, Hana Boukhris, Ivana Bandalo, Peter Bata) (BR)
  • Marcos Campello: r0 (BR)
  • Marcus Maeder: Vozes da Floresta (CH)
  • Maria Beraldo, Joana Queiroz, Bruno Qual, Sergio Krakowski (BR)
  • Mbé: Poesia de Criolo (BR)
  • MIHNA – Museu Imaginário de História Natural da Amazônia (BR)
  • Nicole L’Huillier: Semilla Natural (CL/US)
  • Novíssimo Edgar: Cure seu inimigo (BR)
  • OLHO (BR)
  • OPAVIVARÁ!: FLORA TREME (BR)
  • Pedro Oliveira: DESMONTE (Zona do Não-Ser) (BR)
  • Rafael Meliga: 22°20’20.1″S 42°48’03.7″W (BR)
  • Romy Pocztaruk & Caio Amon: Blue Echos (BR)
  • Sara Não Tem Nome: Exodus (BR)
  • SD9 (BR)
  • Sol Rezza & Analúcia Roeder: Filaments of a Circle (AR/PE)
  • Taticocteau: Quiasma (BR)
  • Valéria Martins: Naturaleza Abismada (BR)
  • Verónica Daniela Cerrotta: Entremarés (AR/BR)
  • Vitória Cribb + YÃDÚ (Nelson D & Iggor Cavalera): AFà(BR)
  • Wellington Gadelha: Manifesto do Sonho (BR)

Festival Novas Frequências é viabilizado com o patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e da empresa Oi, através da correalização do Centro Cultural Oi Futuro e do Labsonica. Apoio do Serviço de Cooperação e Ação Cultural do Consulado da França no Rio de JaneiroGoethe InstitutBritish Council, AmplifyPro Helvetia e One Beat. Filiação: ICAS – International Cities of Advanced Sound e Abrafin. Realização: Outra Música

www.novasfrequencias.com

Redes Sociais

FB

IG

Filme comemorativo dos 10 anos de Novas Frequências

Programação – exposição virtual

01/12, quarta

www.novasfrequencias.com

a partir da meia noite galeria virtual imersiva “Pra onde agora?”

APT.LAB: 135ºW 155ºW 35ºN 42ºN

Aun Helden & QEEI: Burial Flowers Are Eternal As They Decay 

biarritzzz & Glor1a: The death of tomorrow

Chama (Ana Lira convida Aishá Lourenço e Elton Panamby): Fluxo 9 … 

navegando entrefáscias para sentir as viradas em intuição 

Coletivo Turmalina: AGANJÚ

Deafbrick, Duma, Simon Grab, Genesys: Roam

Felipe Nunes: 394 Paralaxxx

Felipe Vaz: Juntos/as/xs/es

Inés Terra: Tudo o que é sólido

Marabu x Levi Keniata x Beré Magalhães: Sequelas noturnas de uma mente encruzilhada

Marcioz: Three Fences of Time (ft. Andrea Alvarez, Hana Boukhris, Ivana Bandalo, Peter Bata) 

Marcus Maeder: Vozes da Floresta

Novíssimo Edgar: Cure seu inimigo

Nicole L’Huillier: Semilla Natural

Pedro Oliveira: DESMONTE (Zona do Não-Ser)

Rafael Meliga: 22°20’20.1″S 42°48’03.7″W

Romy Pocztaruk & Caio Amon: Blue Echos

Sara Não Tem Nome: Exodus

Sol Rezza & Analucía Roeder: Filaments of a Circle

Wellington Gadelha: Manifesto do Sonho

* Toda a programação e informações sobre o festival estão no site: www.novasfrequencias.com 

Ficha técnica Festival Novas Frequências

Curadoria e Direção Geral

Chico Dub

Direção de Produção

Valéria Martins

Produção Executiva

Ray Farias

Assistente de Direção Artística e Produção Técnica

Natália Lebeis

Controller

Cida Souza

Contabilidade

Ione Carneiro

Comunicação

Pérola Mathias

Assessoria de imprensa

Leila Grimming

Identidade Visual e Designer Gráfico

Rafael Meliga

Website

Rafael Rocha

Direção e Edição de Vídeo

Fabiano Araruna

Idealização e Fundação

Chico Dub e Tathiana Lopes

Patrocínio

Oi, Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, Lei Estadual de Incentivo à Cultura

Apoio
Serviço de Cooperação e Ação Cultural do Consulado da França no Rio de Janeiro, Goethe Institut, British Council, Amplify, Pro Helvetia, One Beat

Associado 

ICAS – International Cities of Advanced Sound, Consulado Geral da França Abrafin

Correalização

Oi Futuro + Labsonica

Realização

Outra Música

 

POR: Rita Moraes
Publicado em 30/11/2021