ConexãoIn


Universidade dos EUA utiliza tecnologia de grafos da Neo4j para mapear desinformação nas eleições americanas

Demonstração criada com Neo4j Bloom

SAN MATEO, Califórnia – Neo4j, líder mundial em Banco de Dados Grafos e Analytics, anuncia o uso licenciado da sua plataforma de banco de dados grafos para o Instituto de Democracia, Jornalismo e Cidadania (IDJC) da Universidade de Syracuse, no estado de Nova Iorque, pelo período de um ano com um subsídio de pesquisa de US$ 250.000 voltado para as eleições americanas. A iniciativa apoia a identificação e mapeamento de campanhas de desinformação com potencial para influenciar a decisão de eleitores do país, que irão às urnas em novembro de 2024.

O anúncio faz parte do lançamento do projeto IDJC ElectionGraph, que identifica as origens das campanhas de desinformação com base nos gastos com anúncios de mídia social, concentrando-se inicialmente no Facebook e no Instagram, devido ao seu amplo alcance de mais da metade da população votante dos EUA. O projeto usa o banco de dados e a análise de tecnologia de grafos da Neo4j, permitindo que os pesquisadores se conectem e analisem grandes volumes de dados conectados com mais rapidez e facilidade do que qualquer outra tecnologia.
A pesquisa é liderada pela professora Jennifer Stromer-Galley, reitora sênior da Escola de Estudos da Informação da Universidade de Syracuse, e especialista reconhecida nacionalmente em campanhas políticas e desinformação. Ela está conduzindo a pesquisa em colaboração com a diretora Kramer do IDJC, Margaret Talev, professora de prática na Newhouse School of Public Communications e jornalista especializada em política americana, eleições e Casa Branca; e a diretora de pesquisa do IDJC,Johanna Dunaway, professora de ciência política na Maxwell School of Citizenship and Public Affairs e especialista em comunicação política, polarização partidária e mídia de massa.
O IDJC divulgará relatórios periódicos das descobertas e percepções de sua pesquisa ao público ao longo do ano, juntamente com um painel interativo que ajudará os jornalistas a investigar campanhas de desinformação que afetam as eleições nos EUA.
“O desafio enfrentado por pesquisadores digitais e jornalistas computacionais para desvendar as consequências da desinformação conduzida por IA na democracia é enorme. A tecnologia de grafos é um facilitador essencial para aqueles que buscam descobrir padrões e redes ocultas daqueles que procuram manipular populações democráticas”, explica Jim Webber, cientista-chefe da Neo4j.
Gráfico eleitoral do IDJC: Resultados iniciais

O primeiro relatório da série, intitulado “IDJC ElectionGraph: Como os anúncios de mídia social que mencionam Biden ou Trump moldam o cenário de informações eleitorais de 2024”, analisa os anúncios pagos no Facebook e no Instagram entre 1º de setembro de 2023 e 29 de fevereiro de 2024, mencionando os candidatos presidenciais Joe Biden ou Donald Trump. Veja os principais resultados identificados no monitoramento até o momento:

  1. Grupos conservadores são os que mais gastam com anúncios: O Liberty Defender Group foi apontado como o grupo que mais gastou com anúncios (mais de US$ 1,3 milhão) e não está vinculado a nenhuma organização política, mas seus anúncios indicam um alinhamento pró-Trump. O segundo maior grupo gastador, com mais de US$ 1 milhão, é a AFP Action ou Americans for Prosperity, uma organização conservadora que endossou Nikki Haley, filiada ao Partido Republicano e que também chegou a ser pré candidata para a corrida presidencial estadunidense.

Mais de 24.000 anúncios foram comprados por mais de 1.800 grupos, totalizando um valor estimado de US$ 15,3 milhões. As organizações que veicularam anúncios variaram de entidades bem conhecidas, como comitês de ação política, grupos de partidos políticos ou outros candidatos, a atores obscuros com conexões e agendas menos claras.

  1. Anúncios pró-Biden utilizam o título de “Presidente” para se dirigir a ele e não a Trump, e vice-versa: os anúncios mostraram como grupos específicos usaram o título de “Presidente” de forma diferente para os oponentes. Grupos que diziam “Presidente Biden” e “Donald Trump” tendiam a favorecer Biden – e grupos que diziam “Presidente Trump” e “Joe Biden” tendiam a favorecer Trump.
  2. Número de anúncios com ataques direcionados à Biden superam aqueles que atacam Trump: Embora Biden seja mencionado sete vezes mais do que Trump em anúncios gerais no Facebook e no Instagram, o atual presidente americano foi mencionado na maioria dos anúncios com ataques direcionados (47%), em comparação com anúncios de “ataque” que mencionam Trump (37%). Uma análise mais profunda, que a Neo4j possibilitou, também revelou que os 10 principais grupos com campanhas publicitárias mais críticas a Biden, como AFP Action, Judicial Watch, America First Legal e We Deserve Better, superaram os grupos que o apoiam, como Biden-Harris HQ, Senate Democrats ou Democratic Governors’ Association. A pesquisa também rastreou os grupos mais críticos de Trump.

Como os grafos de conhecimento apoiam o jornalismo investigativo
Um grafo de conhecimento é uma camada de insight de dados interconectados enriquecidos com semântica, contexto e significado para obter resultados e tomadas de decisão precisos, transparentes e explicáveis. Os grafos de conhecimento da Neo4j conectam informações de várias fontes de dados, permitindo que jornalistas investigativos identifiquem e analisem padrões ocultos e descubram teias complexas de conexões. Os resultados permitem que os repórteres investigativos revelem atores, redes e padrões de comportamento incomuns, significativos e influentes de uma forma que não é possível com nenhuma outra tecnologia.
Em 2015, o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) usou a plataforma da Neo4j para revelar um dos maiores escândalos de corrupção global de todos os tempos com os Panama Papers, o que rendeu ao ICIJ o Prêmio Pulitzer. As investigações subsequentes incluíram os Paradise Papers de 2017 e os Pandora Papers de 2021, entre outros. Além disso, a NBC usou o Neo4j para descobrir a interferência russa na eleição americana de 2016; e jornalistas computacionais usaram grafos de conhecimento da Neo4j para apoiar reportagens baseadas em fatos na eleição de 2020.
Nas eleições de 2024, o IDJC buscará insights que possam abordar questões como quem são as redes de atores mais influentes que disseminam informações em quais plataformas; quais temas estão circulando; quem são os criadores versus disseminadores; que desinformação pode ser propagada em estados decisivos, como e com que efeito; e até que ponto a desinformação gerada por IA está presente; entre outras questões.
O IDJC ElectionGraph da Universidade de Syracuse e suas descobertas são independentes e de propriedade da Universidade de Syracuse e do IDJC.
Clique aqui para ler o relatório completo e saber mais sobre o ElectionGraph do IDJC.
Sobre a Neo4j
Neo4j, líder em Banco de Dados Grafos & Analytics, ajuda organizações a encontrar relações e padrões ocultos em bilhões de conexões de dados de forma profunda, fácil e rápida. Os clientes aproveitam a estrutura de seus dados conectados para descobrir novas maneiras de resolver seus problemas de negócios mais urgentes, como detecção de fraudes, visão 360 do cliente, knowledge graphs (grafos de conhecimento), cadeia de suprimentos, personalização, IoT, gerenciamento de redes e muito mais – mesmo à medida que seus dados crescem. A full-stack completa da Neo4j oferece armazenamento de grafos nativos poderosos com capacidade de busca vetorial nativa, ciência de dados, análises avançadas e visualização, com controles de segurança de nível empresarial, arquitetura escalável e conformidade ACID. A Neo4j se orgulha de sua dinâmica comunidade de código aberto, reunindo mais de 250.000 desenvolvedores, cientistas de dados e arquitetos em centenas de empresas Fortune 500, agências governamentais e ONGs. Visite neo4j܂com e siga-nos no Linkedin Neo4j Brasil.

POR: Rita Moraes
Publicado em 10/05/2024