ConexãoIn


Exposição aborda a memória ancestral e resistência periférica através de artes visuais, poesia e música

Elektr4 horizontal- créditos linbo @cnlionl.jpg
                           Elektr4 | créditos @cnlionl

O projeto “É Tudo Nosso – informação, cultura e protagonismo”, fomentado pela 20ª edição do Programa VAI da Secretaria Municipal de Cultura, promoveu, ao longo do primeiro semestre de 2024, encontros formativos focados em jovens artistas e produtores culturais. A iniciativa surgiu com o objetivo de construir coletivamente ferramentas para a gestão das carreiras dos envolvidos, promovendo profissionalização em suas respectivas áreas.

Larissa Goes

 

Desenvolvido pela coletiva “É Tudo Nosso!”, o projeto adota uma abordagem prática e teórica, dividida em três etapas distintas. Na primeira, encontros virtuais abordaram temas como planejamento e escrita de projetos para editais. Na sequência, três encontros presenciais reuniram artistas, produtores e curadores que compartilharam suas experiências com os alunos.

 

Agora, o projeto fecha com a mostra “É TUDO NOSSO! NUTRINDO NOSSOS SONHOS”. Esta fase representa a ação prática dos orientandos, com apresentações e intervenções em diversas linguagens artísticas, como música, artes visuais e poesia. O evento, previsto para ocorrer no dia 30 de junho, com entrada gratuita, tem como objetivo não apenas exibir as obras dos participantes, mas também envolvê-los na produção, proporcionando uma experiência completa.


As propostas artísticas incluem apresentações diversificadas que refletem a resistência e a criatividade da periferia, com foco em artistas mulheres e pessoas não binárias. A curadoria foi realizada pelas próprias alunas do curso, promovendo a diversidade e a inclusão. Cada apresentação busca levantar reflexões sobre identidade, diversidade e os desafios enfrentados pelas comunidades periféricas.

 

Além disso, a programação visa discutir a importância da descentralização cultural, especialmente no território da zona sul, conhecido como “fábrica de artistas”.

Na categoria de artes visuais, a Mostra É Tudo Nosso! contará com Heven, uma artista que une alfabetização e bordado para promover a memória ancestral e a expressão artística na periferia com seu projeto “Desata Nós”. Kayme apresentará a marca “Tituba Acessórios”, resgatando ancestralidade e resistência através de acessórios inspirados na estética periférica. Isra, do Relicari.Oz, oferecerá um acervo de moda para estilistas e artistas, promovendo a reutilização e a expressão individual.

Na poesia, Floreny transita entre dança e colagem, resgatando a ancestralidade indígena; Luali, multiartista da zona leste, utiliza a arteterapia para abordar temas da geração Z. Rhasna Neves, escritora e produtora cultural, traz vivências e ancestralidade em suas obras.

Na música, Ludmila Lima, cantora da zona sul, promove a resistência periférica negra com repertório de MPB, pop e R&B. Kayme, multiartista e cantora, traz a estética periférica e a música negra em suas composições de rap, trap, funk e R&B.

“Acreditamos que o tema do evento evidencia o movimento que está na contracultura de uma produção ocidental. É um lugar de protagonismo de mulheres na criação e execução de conceitos e um momento de cura geracional no qual podemos criar e estar em um espaço seguro para nos contemplar e admirar, criando possibilidades de gestar novas formas de pensar o trabalho coletivo,” comenta a artista visual Heven, participante do projeto.


SERVIÇO

“É Tudo Nosso! Nutrindo nossos sonhos”
Data: 30 de junho de 2024
Local: Espaço Cultural CITA | Rua Aroldo de Azevedo, nº 20 – Jardim Bom Refúgio, SP
Horário: das 15h às 21h
Classificação livre
Entrada gratuita

SOBRE “É TUDO NOSSO!”

O projeto, desenvolvido pela “É Tudo Nosso!”, foi sonhado coletivamente e construído por muitas mãos.

Idealizado por Nicoly Soares, poeta, produtora cultural e fundadora da “É Tudo Nosso!”, a iniciativa busca a troca de potências e a multiplicação de saberes entre várias fazedoras de cultura e as orientandas que chegaram com suas bagagens e vivências. Apesar de diversas entre si, todas compartilham o desejo de viver de arte e cultura na cidade de São Paulo.

A coletiva é formada também por Milena Nascimento, fotógrafa, videomaker, produtora cultural, educadora e cientista social, e por Alê Barreto, poeta, pedagoga, publicitária e produtora cultural.

A “É Tudo Nosso!” realiza e acredita na Produção Cultural de Quebrada, que, como diz Nicoly Soares (e Sabotage), é compromisso, não é viagem. Muitas outras pessoas lutaram antes pelo movimento cultural das periferias para tornar projetos como esse possíveis. A “É Tudo Nosso!” fomenta e constrói trocas para que cada vez mais caminhos se abram, ampliando a perspectiva de artistas e produtores independentes.

SOBRE DESATA NÓS (HEVEN)

Heven é professora de educação fundamental na rede municipal de Osasco e arte-educadora, trabalhando com artes visuais e bordado. Ela utiliza essas linguagens artísticas para promover produções infantis que estimulam protagonismo, criatividade e expressão artística. Como bordadeira, Heven vê o bordado como uma potente ferramenta de alfabetização, exemplificado pela recente alfabetização de uma aluna de 86 anos utilizando essa arte.

SOBRE TITUBA ACESSÓRIOS

A Tituba Acessórios foi criada em 2023 por Kayme com o objetivo de resgatar a ancestralidade e resistência a partir da perspectiva periférica. A marca utiliza aço inox para criar peças que incorporam elementos egípcios, de religiões de matriz africana, hip hop e funk. Mais do que uma loja, Tituba é um conceito que visa afirmar que o apagamento cultural não destruiu as construções de resistência do povo periférico.

SOBRE KAYME

Kayme é uma multiartista, cantora, compositora e poetisa da zona sul de São Paulo. Ela começou a se apresentar em saraus e batalhas de rap aos 15 anos, participando de eventos como Sarau Revolução Materna e Batalha do Cheiro Verde. Suas composições refletem a estética periférica e se baseiam na música negra, transitando entre rap, trap, funk e R&B. Kayme busca trazer versatilidade e potência às suas performances, promovendo o protagonismo feminino e o empoderamento de seus ouvintes.

SOBRE RELICARI.OZ (ISRA)

Criada em 2020 por Isra na cidade de Osasco, a Relicari.oz tem como objetivo vestir artistas e servir como acervo para stylists, clipes e criações audiovisuais periféricas. O brechó seleciona cuidadosamente cada peça para oferecer uma variedade que permite aos artistas e consumidores expressar sua individualidade. Além de promover a reutilização de roupas, incentiva a circulação de peças únicas e cheias de história, contribuindo para a moda sustentável e a valorização cultural.

SOBRE FLORENY

Floreny Fregone é uma multiartista de 26 anos que atua nos campos da dança, poesia e colagens. Como antropóloga e pesquisadora dos movimentos pélvicos, especialmente o Twerk, ela resgatou a dança que esteve presente na sua vida desde a infância. Moradora da zona sul de São Paulo, Floreny utiliza a poesia para expressar suas percepções do mundo, buscando um jeito de escrever-dançar como um ato revolucionário e um meio de reconectar-se com sua ancestralidade indígena.

SOBRE LUALI

Luali é uma jovem de 23 anos da zona leste de São Paulo, profissional de marketing, estudante de produção cultural e multiartista. Sua arte visa traduzir as vivências da geração Z e seus anseios pessoais, utilizando a arteterapia para diminuir sintomas de depressão e ansiedade. Desde a adolescência, se expressa através de composições musicais, poesias, ilustrações e curadorias artísticas. Recentemente, colaborou na composição do single “TÃO QUENTE” com a artista LETS e o produtor Gusta, e participou como cantora no Samba das Matriarcas no Jardim Elba.

SOBRE RHASNA

Rhasna Neves, de 22 anos, nascida e criada em Ermelino Matarazzo, na zona leste de São Paulo, é estudante de Gestão de Políticas Públicas na USP e cofundadora do coletivo Flores de Periferia. Como produtora cultural, trabalha na articulação institucional e territorial, produção artística e elaboração de projetos. Também é escritora e poetisa marginal, explorando vivências, experiências artísticas e vínculos com a ancestralidade em seus escritos.

SOBRE LUDMILA LIMA

Ludmila Lima é uma cantora da zona sul de São Paulo que iniciou os estudos musicais aos 11 anos na Banda dos Curumins, projeto da ONG Casa dos Curumins. Durante seu tempo no grupo, se apresentou em diversos locais e festivais, inclusive internacionalmente, como no Estival Jazz Lugano na Suíça e na Villa Arconatti na Itália. Em 2023, tocou com o cantor Rael na Virada Cultural do Pertencimento e ganhou uma bolsa integral na Faculdade Santa Marcelina para estudar Canto Popular. Seu repertório inclui MPB, Pop e R&B.

POR: Rita Moraes
Publicado em 30/06/2024